1. The WordReference Forums have moved to new forum software. (Details)

arado vs. charrua

Discussion in 'Português (Portuguese)' started by reka39, Mar 24, 2012.

  1. reka39 Senior Member

    Italian
    Hello! What's the difference between a 'arado' and a 'charrua'? I came across these two words when looking for the definition of 'lavrar' that is 'trabalhar com arado, charrua,..'. Thank you very much for the help!
     
  2. patriota Senior Member

    São Paulo
    Português - Brasil
    O dicionário Aulete diz que charrua é "um arado grande, puxado manualmente, por animal ou, modernamente, por máquina".

    Encontrei referências brasileiras a charruas apenas em textos antigos (poemas) e em artigos sobre a história da agricultura. O termo consagrado é "arado" mesmo, inclusive para "arados mecânicos ou hidráulicos".

    Parece que em Portugal também se usa muito especificamente e no sentido histórico:
    Vamos esperar alguém de lá confirmar. :)
     
    Last edited: Mar 24, 2012
  3. marta12 Senior Member

    Portugal
    português
  4. Carfer

    Carfer Senior Member

    Paris, France
    Portuguese - Portugal
    Não percebo muito disso, mas acho que são basicamente o mesmo. Se bem me recordo de quando era menino, a 'charrua' era construída integralmente em ferro e o 'arado' de madeira (embora não me lembre de nenhum que, apesar de ter uma estrutura de madeira, não tivesse já uma lâmina metálica para rasgar a terra). Modernamente, creio que se costuma designar por 'charrua' o arado múltiplo de tracção mecânica, daqueles de discos ou de lâminas rebocados por tractores.
    Creio que no site que a marta indicou há um equívoco. Muito embora também sirva para lavrar a terra, ao primeiro instrumento que lá figura (aquele com um quadro em madeira e uns dentes de ferro) nunca lhe ouvi chamar 'arado' e sim 'grade'. Usá-lo dizia-se até 'gradar a terra'. E já que estou com a mão na massa, também lá encontro uma estranha palavra: 'trifon'. É seguramente erro do autor ou corruptela do francês 'tire-fond' ou 'tirefond', os parafusos usados nos caminhos de ferro europeus continentais para fixar os carris às travessas e que, dado o seu tamanho e resistência, não me espanta que também fossem adaptados por algum camponês mais inventivo (e obviamente pobre) às grades da lavoura.
     
  5. Brazilian Girl

    Brazilian Girl Senior Member

    São Paulo, SP, Brazil
    Portuguese Brazil
    Conheço "charrúa" em espanhol. Segundo a RAE é um "arado composto" e assim chamado em Andaluzia.

    Também encontrei esse artigo de um jornal de Angola, publicado em agosto/11 sobre a distribuição de charruas para os agricultores.
     
  6. yvanyvan Junior Member

    Porto
    Portuguese - Portugal
    Vanda, se achares este arrazoado muito longo, apaga.
    Não tem nada a ver um arado com uma charrua, salvo que ambos servem para lavrar.
    Podemos dizer que um arado é mais artesanal e uma charrua já é fruto da era industrial, uma vez que tem peças em ferro fundido, inclusive a relha. Vou tentar explicar, sem ser exaustivo, utilizando a terminologia de Trás-os-Montes. Ambos os utensílios foram usados até aos 1980/1990.
    Um arado tem uma rabiça com uma mãozeira na extremidade superior para o conduzir e uma relha na outra extremidade (normalmente artesanal feita pelo ferreiro da terra). A rabiça é elegantemente curva, para que a relha entre com um ângulo adequado na terra. Atravessando a rabiça mais ou menos a meio existia o pespineiro para poder fixar lateralmente as aviacas ou aivecas, fixadas junto à relha, que abrem o sulco (em T-os-M dizemos suco), uniformemente, para os dois lados. Saindo para a frente do meio da rabiça, temos o timão (temão) cuja extremidade há-de prender na trasga, presa ao jugo, com uma cavilha, para poder puxar o arado. O timão era atravessado pela ateiró, ligada à rabiça, para poder regular a profundidade do suco. O timão pouco mais tinha de comprimento que uma vaca, por isso era preciso ter muito cuidado ao lavrar para não enrelhar (ferir) alguma pata do animal. A relha, com o uso, ia-se desgastando e era necessário levá-la ao ferreiro para a apontar, isto é, acrescentar-lhe mais um bocado de ferro. Normalmente, em cada aldeia, cada casa de lavoura tinha uma avença com o ferreiro, paga em pão (centeio), talvez um ou dois alqueires (12 kgs).
    Portanto, ao lavrar, ao chegar ao fim do suco, o lavrador tinha que manobrar o arado completo, fazendo também virar os animais. Note-se que, em T-os-M., contrariamente a outras províncias, era apena uma pessoa que lavrava, dispensando qualquer ajuda.
    Uma charrua já é um utensílio que se comprava pronto a usar. Permitia lavrar mais fundo, mas só abria meio suco, pois só tinha uma aviaca. Fundamentalmente tinha uma peça em ferro fundido – a ateiró, com apenas uma grande aviaca também em ferro, onde se fixava com parafusos (e porcas) a relha, aviaca esta que encaixava nas duas extremidades da base da ateiró (o arrastro), rodando sobre ela, permitindo assim, no fim do suco e na volta, abrir o suco para o mesmo lado. Claro que na ateiró, encaixava a mãozeira (de madeira) para segurar e manobrar, bem como um timão de madeira com cerca um metro e meio na extremidade do qual estava fixo um mecanismo com uma roda que permitia também regular a profundidade a que se queria lavrar. Dependendo dos fabricantes, a charrua podia ser inteiramente em ferro. Para que a charrua pudesse ser puxada pela junta de vacas, na frente do timão havia uma forte corrente onde engatava a tremoncela cuja extremidade ia prender-se na trasga, presa ao jugo, com uma cavilha. A tremoncela era praticamente do comprimento de um animal, assim a charrua andava bem distante das patas traseiras dos animais.
    A charrua era mais usada para decruar (primeira lavra) e vimar (segunda lavra), o arado para semear batatas, ou assucar.
     
  7. Brazilian Girl

    Brazilian Girl Senior Member

    São Paulo, SP, Brazil
    Portuguese Brazil
    Uau! Excelente a sua explicação Yvanyvan! Aprendi a diferença e muitas, muitas palavras novas.;)
     
  8. aduarte New Member

    Portuguese - Portugal
    Para mim, em Portugal, um arado e uma charrua são coisas muito diferentes.

    O arado serva para arar o solo e a charrua serve para lavrar o solo.
    O arado tem uma relha em bico que abre um sulco, afastanto a terra para ambos lados do arado e do rego que se forma à sua passagem. A charrua tem uma relha diferente, que corta o solo horizontralmente e verticalmente, acompanhada de uma relha que revira a leiva para um dos lados do rego que se forma à sua passagem.
    Os arados são sempre de madeira, podendo ter relha de ferro e são sempre de tracção animal. Não conheço arados puxados por tractores.
    As charruas, ou são todas em ferro ou são de madeira e ferro mas neste caso têm não apenas a relha mas também a aiveca em ferro e mais algumas peças. As charruas podem ser de tracção animal ou puxadas por tractores, havendo uma grande diversidade de modelos.
    Alem das charruas de aivecas, há ainda charruas de discos. Estas últimas podem ser confundidas com as grades de discos mas também aqui há claras diferenças, que não vêm ao caso aqui.

    A confusão estabelece-se quando no Brasil se utiliza o termo "arado" para designar aquilo a que chamamos "charrua" em Portugal.

    Quanto aos nomes das peças de ambas alfaias, no Algarve alguns termos são ligeiramente diferentes dos descritos para Trás-os-Montes, o que é natural.
     

Share This Page