1. The WordReference Forums have moved to new forum software. (Details)

futuro do conjuntivo em orações relativas

Discussion in 'Português (Portuguese)' started by ChineseBoy, Dec 1, 2010.

  1. ChineseBoy Senior Member

    Beijing, China
    Chinese
    Olá a todos!

    Não compreendo muito bem o uso de futuro do conjuntivo em orações relativas.
    Quando é que preciso de usar o futuro do conjuntivo em orações relativas?

    Por exemplo qual é a correcta entre as duas frases?

    O país que vou amanhã é Portugal.
    O país que for amanhã é Portugal.

    Muito obrigado!
     
  2. englishmania Senior Member

    Portugal
    European Portuguese
    A forma verbal correcta é a da 1.ª frase ("vou"), ainda que a construção não esteja completamente correcta.

    O país que for:cross: amanhã é Portugal.
    (sabes qual é o país que vais visitar, não usas "for")


    O país a que vou amanhã é Portugal.
    (diz-se: vou a/para Portugal, vou visitar Portugal, logo,
    na oração relat., dizes o país a que vou/ao qual/para o qual/aonde > o país que vou visitar)



    Um exemplo do uso correcto de "for" numa oração sub. relativa:
    O escritor que amanhã for escolhido pelo comité, irá/vai receber um prémio de ... euros (não se sabe qual vai ser o escritor escolhido)

    - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

    Outras orações:

    Quando
    ele for, eu vou com ele. (no futuro)
    Quando ele vai, eu com ele. (acontece frequentemente, regularmente)

    Sempre que
    fores lá, avisa-me.

    Se eu for, ele vem comigo.



    Espero que alguém complete.
     
    Last edited: Dec 1, 2010
  3. ChineseBoy Senior Member

    Beijing, China
    Chinese
    Muito obrigado a englishmania!

    Também gostaria de saber qual é a correcta entre

    Podes comprar o que precisares.
    Podes comprar o que precisas.
     
    Last edited: Dec 1, 2010
  4. Outsider Senior Member

    Portuguese (Portugal)
    Diz-se mais "o país aonde vou amanhã é Portugal". Não há qualquer incerteza no facto de você ir viajar, portanto não há razão para usar o conjuntivo.

    A segunda frase (com o indicativo) dá a entender que "o que precisas" se refere a algo bem definido, e conhecido dos dois interlocutores.
    Na primeira frase "o que precisares" tem um significado geral e indefinido. A pessoa que fala pode não saber muito bem do que é que a outra vai precisar. Mas, seja o que for que a outra precise, diz-lhe que o pode comprar.
     
    Last edited: Dec 1, 2010
  5. ChineseBoy Senior Member

    Beijing, China
    Chinese
    Muito obrigado a Outsider!

    Peço desculpa. Ainda uma coisa...
    Amba as frases seguintes são correctas também?

    Quem quiser ir, tem que se inscrever na secretaria do Seminário até às 18h00 de amanhã.
    Quem quer ir, tem que se inscrever na secretaria do Seminário até às 18h00 de amanhã.
     
  6. Outsider Senior Member

    Portuguese (Portugal)
    Eu diria que ambas estão correctas, mas a primeira é muito mais comum. A segunda, para mim, tem uma conotação de especial familiaridade, como se quem fala conhecesse todos os potenciais interessados e se dirigisse a eles para lhes lembrar que se inscrevessem, quase paternalmente.
     
  7. englishmania Senior Member

    Portugal
    European Portuguese
    Não sei se dizes isto por eu ter corrigido Olá, todos > olá
    a todos
    No caso de obrigado/obrigada, diz apenas obrigado, Outsider, pois estás a falar directamente para ele.
    No entanto, se te diriges a todos, obrigado/obrigada a todos.

    :)
     
    Last edited: Dec 1, 2010
  8. ChineseBoy Senior Member

    Beijing, China
    Chinese
    Muito obrigado!:)
     
  9. Tatid New Member

    Antwerpen
    Dutch - Belgium
    Olá,
    Eu tenho mais uma pergunta sobre o uso do conjuntivo nas orações relativas. Quando se tem de usar o futuro do conjuntivo e quando o presente do conjuntivo? Existe uma regra?

    Obrigada!
     
  10. uchi.m

    uchi.m Senior Member

    Redeeming limbo
    Brazil, Portuguese
    Vamos pegar um exemplo:

    1) Eu vou aonde quer que você estiver.
    2) Eu vou aonde quer que você esteja.
    3) Eu vou aonde você está.

    Na frase 1, o conjuntivo indica subordinação. Se está no futuro, como está, indica que é subordinação futura, isto é, você ainda não está lá, mas se estiver, eu vou.
    Na frase 2, o conjuntivo indica subordinação também. Se está no presente, como está, indica que é permanência, isto é, sempre estarei onde você estiver.
    Na frase 3, não há subordinação, é apenas uma frase relativa. Você está qualifica aonde. É usado quando se quer descrever um fato.

    Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência. Huahuahua.
     
    Last edited: Aug 24, 2011
  11. Audie Senior Member

    Brazil Portuguese
    Eu só diria a frase 1) sem a parte azul. É muito comum o futuro do subjuntivo com 'quer que' no Brasil?
     
  12. Ariel Knightly

    Ariel Knightly Senior Member

    Rio de Janeiro
    Brazilian Portuguese
    No registro escrito formal seria o país a que vou, mas a omissão desse tipo de preposição em orações relativas é padrão na fala espontânea do português brasileiro. O uso desse a na fala informal seria pedante e soaria como escrita oralizada.

    O livro de que eu preciso está alí. > artificial
    O livro que eu preciso 'tá alí. > natural
    Aquele alí é o cara com que conversei ontem. > artificial
    Aquele alí é o cara que eu conversei ontem. > natural

     
  13. uchi.m

    uchi.m Senior Member

    Redeeming limbo
    Brazil, Portuguese
    Obrigado pela confirmação correção :)
     
    Last edited: Aug 25, 2011
  14. Ariel Knightly

    Ariel Knightly Senior Member

    Rio de Janeiro
    Brazilian Portuguese
    Confirmação da correção. ;)
     
  15. Tatid New Member

    Antwerpen
    Dutch - Belgium
    Muito obrigada pelas vossas respostas!

    Então o futuro do conjuntivo e o presente do conjuntivo não se pode mixturar? Por exemplo:

    Aqueles que quiserem ver o andar modelo, têm de dirigir-se ao porteiro do prédio
    Aqueles que queiram ver o andar modelo, têm de dirigir-se ao porteiro do prédio

    Então estas duas frases têm dois sentidos diferentes? Se leio a explicação de uchi.m, eu acho que na primeira frase ainda não se sabe se houver pessoas que vão querer ver o andar modelo e na segunda frase que p.ex. há um grupo à espera e que dentro deste grupo há certas pessoas que querem ver o andar modelo. Ou algo assim.

    Espero que percebam ;)
     
  16. Alentugano

    Alentugano Senior Member

    Português - Portugal
    Pode ser que exista uma subtil diferença entre as duas frases, mas nada de relevante. Na prática, pelo menos para mim, querem dizer a mesmíssima coisa.
     
  17. Johannes Senior Member

    Natal, Brazil
    Dutch Netherlands
    Pode ser que exista uma subtil diferença entre as duas frases.
    Será que a diferença tem a ver com um significado algo como :
    se por ventura houver daquelas pessoas que quiserem ver............
    se houver pessoas que queiram ver....

    Dando chute.
     
  18. uchi.m

    uchi.m Senior Member

    Redeeming limbo
    Brazil, Portuguese
    É a mesma coisa de antes: um é futuro e o outro é permanência.
     
  19. Audie Senior Member

    Brazil Portuguese
    A dúvida sobre a construção uchiana veio por já ter me surpreendido com um uso diferente dos tempos do subjuntivo (no fio "caso+subjuntivo") por outro colega tão nobre quanto os que neste fio debatem, com exceção da que vos tecla. Foi dúvida mesmo, e não correção.

    Quanto ao tema deste fio, Tatid, concordo com a teoria de uchi.m e de Johannes, mas também concordo com a prática de Alentugano:). Minha opinião (que, como visto, não sei se corresponde à da maioria) é que, na prática, não há (mais) diferença. Não sei se num uso muito formal esse sentido de futuro e de presente seja respeitado. Mas no dia-a-dia a gente não faz essa distinção (talvez no passado se fizesse mais). Eu, pelo menos, não vejo isso.

    Aqueles que quiserem ver o andar modelo, têm de dirigir-se ao porteiro do prédio
    Aqueles que queiram ver o andar modelo, têm de dirigir-se ao porteiro do prédio


    Nos exemplos que você trouxe, tal qual Alentugano, também não vejo diferença de sentido entre uma e outra. O anúncio é dirigido a quaisquer pessoas que desejem ver o andar, não importando se sejam todas de um grupo ou só uma parte dele, ou se já estejam lá ou se se duvida de que aparecerão.
     
    Last edited: Aug 27, 2011
  20. XiaoRoel

    XiaoRoel Senior Member

    Vigo (Galiza)
    galego, español
    O futuro de subjuntivo usa-se em orações não independentes: temporais, locativas, modais, comparativas e especialmente nas condicionais. E também nas relativas com valores próximos aos anteriores (as que em latim iam no subjuntivo).
    Tem orientação verbal prospectiva e ás vezes é atemporal. Modalmente tem um significado hipotético.
    Nunca aparece em orações independentes. Os tempos dos que depende ou com os que se relaciona são o presente e o futuro de indicativo e mais o presente de subjuntivo e o imperativo.
    Sofre a concorrência das outras formas do subjuntivo e mais a do presente de indicativo. Isto sucede porque o subjuntivo é muitas vezes redundante ao estar a modo explicitado pelo verbo principal ou dominante ou por um advérbio ou por uma conjunção. E também há que ter na conta que os tempos do subjuntivo, como formas não reais são menos claras que as do indicativo, modo da realidade. Por um princípio de economia linguística, a língua vai no sentido de reduzir o uso do subjuntivo e, o primeiro tempo a sofrer a preterição será este tempo só de subordinadas substituível por outras formas do subjuntivo ou do indicativo. Outro ponto a ter em conta é a igualdade de forma com o infinitivo conjugado, usual nas subordinadas de tempo e modo.
    Alguns exemplos de uso da literatura oral e da fraseologia galega, e um exemplo da prosa legal (aportugueso a grafia para mais facilidade de compreensão):

    1. Orações relativas:
    Ajudai-me a cantar, ajude-me o que quiser […].
    Do que da caça trouxer, tenho que te regalar.
    Assim estarei qual me deixar a morte.
    Dizem-me que não tenho rendas para mantê-la mulher; tenho um carvalho na eira, roa nele quanto quiser.
    Mas, seja o que for, diz-mo quanto antes.
    Quem quiser cevada e palha de graça para os seus cavalos de recreio, há de paga-la, e senão que chame noutra porta.

    2. Subordinadas adverbiais temporais:
    Quando as pedras derem gritos e o sol parar de andar e o mar não tiver água, hei-me de ti afastar.
    O coração me arrancarás dês que as arrancares todas!
    E agora, adeus! até que deus quiser!
    Se alguém por mim perguntar, diz-lhe que estou em prisão.
    Juro que se não morrer, aqui hei de volver.

    3. Orações subordinadas adverbiais modais:
    Como sementares e estercares, assim colherás quando segares.
    Seja como for, quero-te dar as graças.

    4. Interordenadas condicionais:
    Se meu pai não me casar para o domingo que vem, vou-lhe pôr lume à casa e queimo-lhe quanto tem.
    Se contra os devanditos procedimentos se opuserem reclamações por pessoa que não tiver nenhuma responsabilidade com a Fazenda Pública, suspender-se-ão os procedimentos, quando as reclamações formuladas por via administrativa não forem denegadas.
     
  21. Roloman4 New Member

    Gainesville, Florida
    Español - Ecuador, English - USA
    Boa noite, tenho-vos uma pergunta.

    Sei que no espanhol o futuro do conjunctivo(subjunctivo) não é utiliçado muito, más, no português, como é?
     
  22. Vanda

    Vanda Moderesa de Beagá

    Belo Horizonte, BRASIL
    Português/ Brasil
  23. reka39 Senior Member

    Italian
    Hello! In a textbook I found the sentence 'quero visitar o país que for mais barato'. For me it would be more natural to write 'seja', what's the idea behind the 'for'?
    Thanks!!
     
  24. Macunaíma

    Macunaíma Senior Member

    Um ninho de mafagalfinhos
    português, Brasil
    Talvez porque ele não saiba ainda qual é o mais barato. O que ele está dizendo é que quer visitar o país que se mostrar (fut. subj.) mais barato. Não sei bem se faz sentido para você, só sei que com 'for' é mais comum.
     
  25. XiaoRoel

    XiaoRoel Senior Member

    Vigo (Galiza)
    galego, español
    O espanhol e o italiano usam do presente de conjuntivo, daí a dúvida de reka_39.
     
  26. Istriano

    Istriano Senior Member

    -
    É porque eles já não usam o futuro do subjuntivo. :D
     
  27. Carfer

    Carfer Senior Member

    Paris, France
    Portuguese - Portugal
    Acho que o Macunáima tem razão. A razão de ser do futuro é que ainda vão determinar qual o país que é mais barato. O facto de essa determinação ser posterior ao momento em que se fala justifica o uso do futuro.
     
  28. Guajara-Mirim Senior Member

    Brasil - Brazil
    Français
    Bom dia, tenho uma dúvida e gostaria que me ajudassem a entender melhor. Nas frases como: "Quem quiser vir comigo?" --> Isto se traduz por "Qui voudra venir avec moi ?" Mas, se eu disser: "Quem quer vir comigo" --> Isto se traduz por "Qui veut venir avec moi (no momento presente). O que me dá dificuldades é de saber se com a palavra "quem" temos que usar o futuro do subjuntivo?
     
  29. Outsider Senior Member

    Portuguese (Portugal)
    Tanto se usa um como o outro. Olhar para o pronome não ajuda. O que tem de pensar é se fala de pessoas específicas ou de pessoas indefinidas. No primeiro caso usa o indicativo, e no segundo o subjuntivo.
     
  30. anaczz

    anaczz Senior Member

    À beira do Oceano Atlântico
    Português (Brasil)
    Essa frase não está correta pois nessa pergunta só cabem os tempos do indicativo:
    Quem quer vir comigo?
    Quem queria vir comigo?
    Quem quererá (vai querer) vir comigo?
    Quem quis vir comigo?
    Quem quereria vir comigo?

    Não entendo grande coisa de francês, mas penso que "Qui voudra venir avec moi ?" deva ser traduzido por "Quem vai querer (irá querer/quererá) vir comigo?"

    O futuro do subjuntivo seria usado em frases afirmativas como:
    Quem quiser, vem comigo.
    Quem quiser vir comigo, diga agora.
    quem quiser = aqueles que queiram, aqueles que quiserem
     
    Last edited: May 2, 2013
  31. Carfer

    Carfer Senior Member

    Paris, France
    Portuguese - Portugal
    No português daqui parece-me perfeitamente correcta, Ana. A vontade não tem de ser actual, pode ser futura, e pode até nem chegar a existir. É a incerteza quanto à existência futura dessa vontade e quanto a quem a terá que justifica o uso do futuro do conjuntivo, creio eu. Aqui em Portugal é um uso comum.
     
  32. anaczz

    anaczz Senior Member

    À beira do Oceano Atlântico
    Português (Brasil)
    Desculpe-me, Carfer, tem certeza? Essa pergunta, assim mesmo? Nem sequer entendo o que quer dizer.

    Chego diante de um grupo e pergunto:
    "Quem quiser vir comigo?"
     
  33. Outsider Senior Member

    Portuguese (Portugal)
    Eu não tinha reparado que era uma pergunta. Concordo que como pergunta não soa bem. Pode-se dizer, mas só em contextos muito específicos, citando uma ideia anterior. Sem mais contexto, o normal seria "Quem vai querer vir comigo?" ou "Quem vem comigo?"
     
  34. Carfer

    Carfer Senior Member

    Paris, France
    Portuguese - Portugal
    Não, tem razão. Como pergunta, assim sem mais, não, de facto. Também não me apercebi de que era uma pergunta, desculpe. Como pergunta, se não usar o presente, quando muito o condicional: 'Quem gostaria de vir comigo?'
     
  35. Uticens678 Senior Member

    Italiano
    Uma frase do tipo ""Eu irei aonde você estará" é errada ? E "Eu vou aonde quer que você estará" ?
     
  36. anaczz

    anaczz Senior Member

    À beira do Oceano Atlântico
    Português (Brasil)
    Em ambas as frases, o local onde "você" estará é desconhecido, incerto.

    Eu irei aonde você estiver. (futuro do subjuntivo/conjuntivo)
    Eu vou aonde quer que você esteja. (presente do subjuntivo/conjuntivo)
     
  37. Uticens678 Senior Member

    Italiano
    E a frase " eu encontrarei-te em qualquer lugar te escondas " ?
     
  38. englishmania Senior Member

    Portugal
    European Portuguese
    Não, não soa bem ("encontrarei-te":thumbsdown:)
    Eu vou encontrar-te em qualquer lugar que te escondas / onde quer que te escondas.
    Irei encontrar-te...
    Encontrar-te-ei...
     
  39. Uticens678 Senior Member

    Italiano
    Obrigado! " Encontrar-te-ei em qualquer lugar que te esconderes?" seria igualmente uma frase possível ?
     
  40. Carfer

    Carfer Senior Member

    Paris, France
    Portuguese - Portugal
    Talvez melhor " Encontrar-te-ei em qualquer lugar em que te escondas/em que te esconderes"
     
  41. Uticens678 Senior Member

    Italiano
    Obrigado mai uma vez ! As duas versões têm o mesmo significado? E uso do indicativo (respeitivamente, "... em que te escondes / em que te esconderás") seria errado ?
     
  42. Carfer

    Carfer Senior Member

    Paris, France
    Portuguese - Portugal
    Sim, seria errado (e, de resto, impossível. Ninguém pode estar escondido simultaneamente em vários lugares e seria isso que o uso do indicativo presente implicaria)
     
  43. Guajara-Mirim Senior Member

    Brasil - Brazil
    Français
    Entendo bem as dúvidas de Uticens porque em francês e italiano não existem tais fenômenos.
     
  44. Nanon

    Nanon Senior Member

    Entre Paris et Lisbonne
    français (France)
    De fato, não existem:
    O francês nunca o teve, mas há quem tentou inventá-lo. Divirtam-se :D.
     
  45. Uticens678 Senior Member

    Italiano
    Agora vou tentar fazer uma tradução das duas frases em italiano ; 1) Eu encotrar-te-ei em qualquer lugar te escondas = Io ti troverò in qualunque luogo (in cui) ti nasconda : o sentido desta frase é que há uma pessoa à procura duma outra; a frase é dita pela pessoa que vai procurar a outra e, no momento em que tal frase é proferida, a pessoa que se esconde ou está a se esconder encontra-se num local desconhecido pela pessoa que está a procurá-la; quem diz aquela frase quer afirmar que será capaz de encontrá-lo independemente de qual seja o esconderijo dele e, ao mesmo tempo, supõe que aquele esconderijo não vai mudar, ou seja, após aquele lugar ser escolhido pela pessoa que foge, quem se esconde vai lá ficar até quando for achado.
    O uso do conjuntivo presente em italiano é justificado pelo facto de quem diz a frase não conhecer a localização de quem se esconde; uma situação em que esta frase poderia ser utilizada é a seguinte: há um criminoso com uma pistola na mão, dentro duma fábrica abandonada, gritando " é inútil fugires, seu filho da -palavrão- ! Encontrar-te-ei em qualquer lugar te escondas!!!!!!!!!" para um detetive ferido que está escondido atrás duma máquina da fábrica. Enquanto o criminoso grita tais palavras, ele não vê o detetive.



    2) Eu encontrar-te-ei em qualquer lugar te esconderes = Io ti troverò in qualunque luogo ( in cui ) ti nasconderai : o sentido é que quem se esconde vai fazê-lo depois de esta frase ser dita, ou seja a pessoa quem comecerá a procurar a outra quer dizer que não lhe mporta em que local o "fugitivo vai se esconder; ele poderia até se esconder em num milhão de esconderijos diferentes durante a sua fuga, mas independentemente do numero de lugares em que se esconder, ele será inevitavelmente achado pelo seu perseguidor.
    O uso do futuro do indicativo em italiano é justificado pelo facto de quem vai fugir fazer tal depois de a frase de ameaça ser proferida e, como a ação dele é posterior à enunciação da ameaça, não seria possivél usar um tempo presente; a língua italiana não usa o conjuntivo, embora seria preciso por o lugar onde se esconde quem foje não seja conhecido por quem o procura, por esta lingua não ter um conjuntivo futuro ( esta é uma minha opinião .... ). Uma situação em que esta frase poderia ser utilizada é esta : há um crimoso que dispara contra um detetive. O detetive está a sangrar, mas ainda é capaz de caminhar e, portanto, de se esconder. O criminoso ri, e depois diz "Quero brincar contigo; agora vou contar até dez e enquanto isso podes te tentar escapar; mas não vou poupar a tua vida, quero apenas me divertir ; eu encontrar-te-ei em qualquer lugar te esconderes!!! " Enquanto grita tais palavras, o criminoso vê o detetive


    A pergunta que faço aos senhores é : percebi corretamente a diferença de uso entre o conjuntivo presente e futuro? Obrigado mais uma vez e peço desculpa pelo abnorme comprimento desta minha mensagem :D
     
    Last edited: Nov 2, 2013
  46. Uticens678 Senior Member

    Italiano
    (Se o que escrevi não é intelegível, por favor digam-mo : voltarei a escrevê-lo numa forma mais simples :) )
     
    Last edited: Nov 3, 2013
  47. J. Bailica Senior Member

    Portugal
    Português - Portugal
     
  48. Uticens678 Senior Member

    Italiano
    Obrigado :D !
     
  49. J. Bailica Senior Member

    Portugal
    Português - Portugal
    Não pensei muito mais na questão :), nem sem bem o que pensar, para dizer a verdade. Eu percebo o que quer dizer, mas penso que este exemplo não é o melhor para lhe dar pistar sobre o uso do(s) conjuntivo(s).

    É que aqui 'escondas' sugere 'escolha de sítio possível para esconderijo' tanto pode sugerir presente como futuro. Peço desculpa de não saber explicar melhor, mas, tratando-se de conjuntivo, é como se se abrisse a possibilidade de (alguém) se esconder a partir do momento em que se diz a frase, e que ela não se fecha; portanto, vai do presente até um momento indeterminado (como indeterminado é o lugar, ou lugares de possível escolha); portanto, vai do presente até ao futuro (o futuro das possibilidades...).
    Com o 'esconderes', é sugerido que num futuro incerto (o conjuntivo aponta sempre para a abertura das possibilidades) alguém se esconderá algures. Esse futuro pode ser já a seguir, ou poderá estar a referir-se de um futuro longínquo (ainda que aí talvez se devesse usar 'venhas a esconder'), e a qualquer, ou quaisquer, lugar ou lugares; o contexto é que permite perceber. Até diria que esta 2ª hipótese é mais usada para um futuro imediato, e a outra para um tempo incerto (e penso que é mais corrente e mais usada, neste tipo de situações como a do exemplo). Portanto, na prática, ambas acabam por se poderem estar referir ao presente (ou pelo menos a um futuro imediatamente imediato) ou ao futuro, porque 'presente' e 'futuro' não são muitas vezes, pelo menos com o conjuntivo (e não será só assim, de que é exemplo este mesmo será), não são, dizia, para serem levados à letra. Por vezes há uma 'lógica linguística' que transcende de alguma maneira as aparências.
    -->
    NOTA: mas cuidado que esta é a minha interpretação, e eu não sou especialista na matéria, nem nada que se pareça.
     
  50. Uticens678 Senior Member

    Italiano
    Obrigado! E qual, se há, a diferenca entre estas duas frases?
    1)Eu gostaria de dar uma ajuda em qualquer lugar em que as pessoas sofram.
    2)Eu gostaria de dar uma ajuda em qualquer lugar em que as pessoas sofrerem.
     

Share This Page