Nós termos?

Discussion in 'Português-Español' started by Magikarpando, Sep 11, 2010.

  1. Magikarpando Junior Member

    Portuguese
    Não se usa, nunca? É sempre nós ter? Que coisinha chata.
     
  2. Vanda

    Vanda Moderesa de Beagá

    Belo Horizonte, BRASIL
    Português/ Brasil
    Não entendi o que você quer...:confused:
     
  3. Magikarpando Junior Member

    Portuguese
    É estranho nós termos agido assim.

    Acredite-me; nós termos agido assim não muda nada.

    Etc. Estão todas erradas, pois não se usa "não termos", é "nós ter"

    É estranho nós ter agido assim. ~
     
  4. anaczz

    anaczz Senior Member

    À beira do Oceano Atlântico
    Português (Brasil)
    Por que você afrma isso?
    Ao meu ver, é exatamente o contrário.
     
  5. Magikarpando Junior Member

    Portuguese
    É uma regra gramatical. Termos é um termo só usado para o plural de termo.

    E, aliás, é sempre A meu ver nunca "ao".
     
    Last edited by a moderator: Sep 12, 2010
  6. anaczz

    anaczz Senior Member

    À beira do Oceano Atlântico
    Português (Brasil)
    "termos" é também a forma para a 1ª pessoa do plural do infinitivo pessoal do verbo ter:

    ter eu
    teres tu
    ter ele/ela/você
    termos nós
    terdes vós
    terem eles

    Conjuga-me
    Conjugador de verbos da língua portuguesa
     
    Last edited: Sep 12, 2010
  7. Magikarpando Junior Member

    Portuguese
    É o que estou afirmando, a primeira pessoa do plural de ter é ter, não termos. É um verbo defeituoso, aparentemente.

    O problema de conjugadores é que eles conjugam errado, é script. :/

    Eu estou procurando bem sobre isso, mas há muitos casos de termos e muitos de ter.
     
    Last edited by a moderator: Sep 12, 2010
  8. anaczz

    anaczz Senior Member

    À beira do Oceano Atlântico
    Português (Brasil)
    Além dos links acima, veja o verbete "ter" do Aulete, entrada 30:
    [a) Us. como v. aux., seguido do part. do v. principal, forma os tempos compostos: tinha saído; tenho visto etc. b) Us. como v. impess., equivale a 'haver': Tinha gente demais na sala. c) Us. como v. modalizador: 1) seguido de que, de, a + v. no infinitivo, expressa obrigatoriedade, necessidade: Tenho que/de levantar cedo; Nada tenho a dizer. 2) Seguido de muito/tudo + de adquire o sentido de 'ser parecido com': Ela tem muito do avô. d) Us. como suporte, substituindo v. de sentido específico: ter costume (=costumar), ter medo (=temer) etc.]
    [F.: Do lat. tenere. Hom./Par.: termos (fl.), termos (pl. de termo); tinha (s) (fl.), tinha (s) (sf. [pl.]); terem (fl.), terém (sm.).]

    Ou seja, indica que a flexão "termos" existe e é homônima/parônima do plural de termo.

    Os conjugadores podem errar, mas seria interessante que, ao menos, você indicasse uma referência que confirme essa sua afirmação.
    Mais um: conjugador do Priberam.
     
    Last edited: Sep 12, 2010
  9. Carfer

    Carfer Senior Member

    Paris, France
    Portuguese - Portugal
    Claro que a anaczz tem razão.
    E quanto 'ao meu ver', estou habituado a encontrar quase sempre 'a meu ver' mas 'ao meu ver' é correctíssimo, da mesma forma que as expressões sinónimas 'em minha opinião' ou 'na minha opinião' são também ambas correctas.
     
  10. Magikarpando Junior Member

    Portuguese
  11. WhoSoyEu

    WhoSoyEu Senior Member

    Rio de Janeiro
    Español Latam, Português Br
    De qualquer jeito, eu discordo do teu linguista...
     
  12. Magikarpando Junior Member

    Portuguese
    Eu ainda sou a favor de fazer algum gramático deus, seguir as regras que nem religião. Caramba, eu nunca sei se estou certo ou errado. Olho uma regra aqui diz isso, outra lá, contradiz. Não dá. Não funciona!

    Hoje estava lendo Maria Helena de Moura Neves, segundo ela quase todas as definições de classes de palavras em nossa língua estão equivocadas, e exemplos provam.

    "Para mostrar que a riqueza e o dinamismo da língua não cabem em manuais engessados, ela cita o caso do “mas”.

    Segundo a norma gramatical, “mas” é uma conjunção adversativa, ou seja, serve somente para ligar duas orações contrárias. Na prática, porém, ela aparece conectando também frases que vão na mesma direção. “Comprei esse livro, mas em São Paulo”, exemplifica a autora em sua sala no câmpus de Araraquara. Outro exemplo, desta vez literário, vem do conto O búfalo, de Clarice Lispector, cuja primeira frase é “Mas era primavera.”. “Ninguém pode dizer que Clarice não sabia gramática”, ironiza."


    Enfim, mundo mais caótico que o filosófico.
     
  13. WhoSoyEu

    WhoSoyEu Senior Member

    Rio de Janeiro
    Español Latam, Português Br
    Eu adotei a seguinte regra: uso o português de acordo com o que aprendi na escola. Mudanças posteriores (e houveram várias), adoto as que me parecem lógicas. Na recente mudança, por exemplo, bani de vez o trema. Ô simbolozinho chato!! E olhe que eu sabia usá-lo bem.
    Dentro dessa lógica, eu usaria "Acredite, nós termos agido assim"... com uma preferencia maior para "Acredite, termos agido assim...".
    Veja que se você eliminar o "nós" poderia usar o "ter" sem problemas, mas estaria deixando o sujeito impreciso.
    Ah, um pequeno detalhe: a primeira pessoa do plural do infinitivo do verbo "ter" é "termos", jamais foi "nós ter".
    Abraços.
     
  14. englishmania

    englishmania Senior Member

    Portugal
    European Portuguese
    Olá, confesso que não percebo a dúvida. Talvez seja uma ocorrência na variante brasileira/no Português do Brasil. Não sei se estou enganada, mas julgo já ter ouvido isso nas telenovelas (?), talvez nas camadas mais baixas da população(?).

    Estão ambas correctas!

    O facto de eu ter agido assim...
    O facto de tu teres agido assim...
    O facto de ele ter agido assim...
    O facto de nós termos agido assim...
    etc

    Neste caso, conjugamos o verbo (infinitivo pessoal).



    Não confundir, obviamente, com:
    O facto de (você/ele/ela) nos ter ajudado foi óptimo.
    O facto de (tu) nos teres ajudado...
    etc


    Única situação em que a expressão "nós ter" soaria bem:
    ...o facto de o "nós" ter prevalecido sobre o "eu"....
    (ocorrência pouquíssimo frequente :p)




    A discussão dos linguistas talvez esteja relacionada com o uso do infinitivo flexionado e do infinitivo não flexionado. Na maioria das vezes, prefere-se o primeiro, principalmente por uma questão de simplificação da mensagem. No entanto, também se usa o infinitivo não flexionado. O falante escolhe também intuitivamente, conforme o modo como lhe soa a frase...

    "O chão irregular obrigava-os a deslocar-se/a deslocarem-se com cuidado."
    "Perguntou, com os lábios a tremer/a tremerem".
    "O nosso papel é estar/estarmos sempre à frente?"
    "Venha ouvir as estrelas apresentarem/apresentar um programa."
    "Quanto estás disposto a ceder no que queres para ter/teres o que precisas?»
    "Aconselho os jovens a ler/lerem mais".

    Exemplos retirados de ciberduvidas.pt


    No entanto, quanto à expressão apresentada inicialmente neste tópico, não tenho qualquer dúvida de que é "nós termos". Desculpem o post enorme.
     
    Last edited: Sep 12, 2010

Share This Page