1. The WordReference Forums have moved to new forum software. (Details)

outro / um outro, certo / um certo...?

Discussion in 'Português (Portuguese)' started by Eduardo Rodrigues, Apr 3, 2013.

  1. Eduardo Rodrigues

    Eduardo Rodrigues Senior Member

    Brazil
    Portuguese (BR)
    Olá!
    É bastante comum escutar "um outro" (e.g. Ele é agora uma outra pessoa), "um certo" (e.g. Percebi um certo ar de reprovação nele) e variações nesse mesmo tema na linguagem desataviada do co(quo)tidiano. Contudo, a programação gramatical de mecanismos de edição de textos com ferramenta de corre(c)ção — como o Word — insiste em assertar a invalidade desse tipo de construções. Que têm a dizer brasileiros, portugueses, linguistas, gramáticos, enfim, que têm vocês, que estão a ler, a dizer disso? Muito obrigado!
     
  2. Casmurro

    Casmurro Junior Member

    Porto Alegre, Rio Grande do Sul
    Portuguese - Brazil
    Bom, primeiramente diria que a autocorreção do word não é lá muito confiável (pra não dizer insuportável), mas enfim.

    Na minha opinião, creio que a tal reprovação é devido ao fato de o artigo indefinido ser redundante na expressão. O que quero dizer é o seguinte: "certo" e "outro" já são, por natureza, indefinidos, assim como a palavra "todos" (todos quem? certa pessoa - quem, exatamente? aquele outro - aquele quem?).

    Para corroborar: Eu conheço outra coisa = Eu conheço uma outra coisa; Eu fiz certa coisa = Eu fiz uma certa coisa. Eu mesmo imagino que a presença ou ausência do artigo, nesses exemplos, poderia indicar uma mudança de contexto da frase. Contudo, essencialmente, as frases são exatamente iguais, tornando o artigo desnecessário.

    E, por último, fugindo um pouco às explicações, queria dizer que a língua portuguesa (por cá) é inimiga de redundâncias. Não sei exatamente quanto a Portugal, mas aqui no Brasil se uma pessoa fala "subir para cima", "descer para baixo", "caiu lá embaixo" é zombada e corrigida: "A é que sobe pra cima? Pensei que subisse pra baixo...".

    E isso me causa dificuldades no aprendizado de outras línguas. A primeira vez que li a expressão italiana "cadere giù (literalmente, cair para baixo) achei inconcebível, tomando o português como referencial. No inglês isso também ocorre com "fall down", por exemplo. Até que cheguei à conclusão que as redundâncias são inaceitáveis na minha língua, mas não na dos outros. Vai entender, né?
     
    Last edited: Apr 3, 2013
  3. Eduardo Rodrigues

    Eduardo Rodrigues Senior Member

    Brazil
    Portuguese (BR)
    "Falou e disse", Casmurro!
    É verdade, eu já percebera que por lá (em Portugal) as redundâncias tanto são mais comuns quanto aceitáveis em situações que, por aqui, seriam tratadas com condescendência estritamente gramatical, especialmente objetos diretos preposicionados/indiretos pleonásticos após enclíticos (e.g. Isso de facto ajudou-me a mim imenso). É que se vê no Brasil pleonasmo como vicioso e só! Esquecem-se ou se ignoram os pleonasmos semânticos... onde será que foi parar a ênfase?!
     
  4. marta12 Senior Member

    Portugal
    português
    Em Portugal, é inadmissível dizer 'subir para cima' e 'descer para baixo', apesar de se ouvir a pessoas que são iletradas.

    Já com 'caiu lá em baixo' é outra coisa.
    Uma pessoa pode cair e não ser lá em baixo. 'Cair lá em baixo' pressupõe 'cair de uma altura' que pode ser maior ou menor.
    Enquanto 'cair', é cair no chão que se está a pisar.
     
    Last edited: Apr 3, 2013
  5. Vanda

    Vanda Moderesa de Beagá

    Belo Horizonte, BRASIL
    Português/ Brasil
    Bem, corretor do word? Esquece... só para erro de digitação, mesmo assim, abra os olhos, é burro!!!!
    Bem, agora sobre as redundâncias, cada vez mais elas são aceitas e favorecidas na linguagem. Não somos mais tão estritos com respeito a isto. E existem várias muito bem documentadas, mas que são tão antigas que a gente nem as vê como redundância mais. Assim que eu encontrar um artigo sobre isso, colo aqui.

    Revista Língua Portuguesa, mas não consegui acessar o artigo ainda. Eu o tenho na revista em casa.

    Pronto, consegui, clique aqui.

     
    Last edited: Apr 3, 2013
  6. percivalpc Senior Member

    Realmente, em geral o artigo indefinido antes de pronome indefinido é dispensável, mas não podemos tachar de inerentemente errada essa combinação. Evanildo Bechara abona esse uso quando há necessidade de ênfase, e dá um exemplo de Camilo Castelo Branco: "direi, a julgá-lo pelas consequências, que se vão descrever, com um certo pesar em que esperamos tomem os leitores o seu quinhão de pena, se não todos, ao menos aqueles que não dão nada pela felicidade da terra, quando ela implica ofensa ao Senhor do céu".

    Dou mais três exemplos: "Havia no seu tom de voz um certo quê de decepção" / "Saiu um, depois outro, e depois outro, e depois ainda um outro" / "O malabarista fez isso de um certo jeito que eu não consigo explicar". Essas são frases que soariam inteiramente naturais a qualquer (bom) falante da língua. Dizer que o artigo indefinido está errado aí seria forçar na gramatiquice. Ele ajuda a individualizar o termo substantivo e de certa forma torná-lo mais palpável. É como se quiséssemos indicar uma figura incógnita mas, para não ficar vaga demais, traçássemos o seu contorno.

    Feita essa ressalva, concordo com a Vanda em que, na maioria dos casos, é uma combinação evitável. E concordo também em que o único bom serviço do corretor do Word é apontar possíveis erros de grafia. Quando ele sai do campo da ortografia e se mete a deliberar sobre sintaxe, vocabulário e estilo, é um fracasso retumbante. Me lembro de quando escrevi que, em criança, eu adorava trepar em árvores, e ele sugeriu uma adequação vocabular: "em criança, eu adorava ter relações sexuais em árvores".
     
    Last edited: Apr 3, 2013
  7. Vanda

    Vanda Moderesa de Beagá

    Belo Horizonte, BRASIL
    Português/ Brasil
    Eu não disse isso, muito pelo contrário. :p Disse que muitas redundâncias não são mais percebidas como o sendo, e ainda coloquei links mostrando que muita gente confunde ''a redundância estilística com o vício de linguagem'' e exemplos de autores que as usam como ênfase.... ;)
     
  8. LuizLeitao

    LuizLeitao Senior Member

    São Paulo, Brazil
    Portuguese
    Usar "um" precedendo "outro", "certo', etc., — embora não deixe de ser redundância —é mais uma questão de estilo, não podendo ser considerado erro. Eu, pessoalmente, não uso.

    Ah, o corretor do Word é realmente um intrometido; já me pregou várias peças. Essa da árvore foi demais, hein Percival?
     
  9. Eduardo Rodrigues

    Eduardo Rodrigues Senior Member

    Brazil
    Portuguese (BR)
    Muito obrigado a todos!
     

Share This Page