A tonicidade do português e a do espanhol

meencantesp

Senior Member
Portuguese - Brazil
O português e o espanhol são ambos idiomas cujas palavras são majoritariamente paroxítonas (ou graves). Há também as oxítonas (ou agudas) e as proparoxítonas (ou esdrúxulas), além das monossilábicas.

A pergunta é a seguinte: em qual das línguas a tendência às paroxítonas é mais forte? E quanto às oxítonas, estão mais presentes no português ou no espanhol? E as proparoxítonas? E as monossilábicas? Há alguma fonte em que eu possa descobrir isso?
 
  • Dymn

    Senior Member
    Não lhe sei fornecer toda a informação mas a minha sensação é que não há grande diferença...

    As diferenças que hajam podem ser devidas mais à queda de vogais e consoantes numa ou a outra língua do que no lugar do acento tónico, p.ex. sempre baseando-nos na escrita:

    -de (paroxítona: parede, verdade) vs. -d (oxítona: pared, verdad),
    -is (oxítona: normais) vs. -les (paroxítona: normales)
    -ões (oxítona: razões) vs. -ones (paroxítona: razones)

    Mas eu não diria que aqui o acento está "noutra sílaba".

    Casos em que sim está noutra sílaba.

    A tonicidade em espanhol está antes:
    - Helenismos aos montes, nomeadamente terminados em -ia: academia, alergia, democracia, epidemia, etnia, fobia, nostalgia, terapia, mas também océano/oceano, pelícano/pelicano, clítoris/clitoris, héroe/heroi, teléfono/telefone...
    - Alguns latinismos: médula/medula, límite/limite...
    -
    As formas de muitos verbos em -iar (come você já viu): anuncio, copio, odio/odeio...

    A tonicidade em português está antes:
    - Alguns substantivos: téxtil/textil, míssil/misil, Roménia/Rumanía, nível/nivel, cérebro/cerebro, polícia/policía...

    Acho o primeiro grupo mais numeroso.
     

    meencantesp

    Senior Member
    Portuguese - Brazil
    Não lhe sei fornecer toda a informação mas a minha sensação é que não há grande diferença...

    As diferenças que hajam podem ser devidas mais à queda de vogais e consoantes numa ou a outra língua do que no lugar do acento tónico, p.ex. sempre baseando-nos na escrita:

    -de (paroxítona: parede, verdade) vs. -d (oxítona: pared, verdad),
    -is (oxítona: normais) vs. -les (paroxítona: normales)
    -ões (oxítona: razões) vs. -ones (paroxítona: razones)

    Mas eu não diria que aqui o acento está "noutra sílaba".

    Casos em que sim está noutra sílaba.

    A tonicidade em espanhol está antes:
    - Helenismos aos montes, nomeadamente terminados em -ia: academia, alergia, democracia, epidemia, etnia, fobia, nostalgia, terapia, mas também océano/oceano, pelícano/pelicano, clítoris/clitoris, héroe/heroi, teléfono/telefone...
    - Alguns latinismos: médula/medula, límite/limite...
    -
    As formas de muitos verbos em -iar (come você já viu): anuncio, copio, odio/odeio...

    A tonicidade em português está antes:
    - Alguns substantivos: téxtil/textil, míssil/misil, Roménia/Rumanía, nível/nivel, cérebro/cerebro, polícia/policía...

    Acho o primeiro grupo mais numeroso.

    Está bem. Sem poder fazer um levantamento numérico, creio ser adequado dizer que os casos mais ou menos se anulam e a tonicidade das duas línguas não apresenta uma diferença considerável.
     
    Top