Acento agudo com o verbo sair

FloMar

Senior Member
English - England
Tenho dificuldades de entender o uso do acento agudo na conjugação do verbo sair. Não entendo por que nas seguintes congunçõe saindo e saio não vem com acento, embora as vogais sendo monotongos, mas há acento agudo no saíste, e saí. Poderiam me ajudar?
 
  • englishmania

    Senior Member
    Português Europeu
    Não sei explicar, mas julgo que isso tem a ver com o facto de essas palavras acabarem em "ir" e gerúndio "indo". Nesses casos, nunca se usa acento. Repare-se no infinitivo dos verbos: amar, soar, comer, doer, partir, cair (nunca levam acento)e nos gerúndios amando, fazendo, saindo.

    Aqui tem as regras.

    Hiatos
    Acentuam-se o "i" e "u" tônicos quando formam hiato com a vogal anterior, estando eles sozinhos na sílaba ou acompanhados apenas de "s", desde que não sejam seguidos por "-nh".
    Exemplos: sa-í-da
    Não se acentuam, portanto, hiatos como os das palavras: ju-iz, ra-iz, ca-ir
    As vogais tónicas/tônicas grafadas i e u
    das palavras oxítonas e paroxítonas não levam acento agudo quando, antecedidas de vogal com que não formam ditongo, constituem sílaba com a consoante seguinte, como é o caso de
    nh,
    l, m, n, r
    e
    z:
    bainha, moinho, rainha; adail, paul, Raul; Aboim, Coimbra, ruim; ainda, constituinte, oriundo, ruins, triunfo; atrair, influir, influirmos; juiz, raiz; etc.
    O “u” e o “i” tônicos de “ruim”, “cair” e “Raul” formam sílabas com “m”, “r” e “l” respectivamente. Essas consoantes já soam forte por natureza, tornando naturalmente a sílaba “tônica”, sem precisar de acento que reforce isso.
    Isso acontece no exemplo que dá, rainha, em que a semivogal i vem seguida do dígrafo nh da sílaba seguinte, que a anasala, levando-a a formar por si só uma sílaba. Outros exemplos disso são: bainha, campainha, ladainha, moinho, ventoinha, etc.

    A quebra do ditongo acontece também, sem necessidade de acento gráfico, se ele vier seguido das consoantes r, l, z (ex.: cair, cairdes, juiz, Madail, paul, raiz, Raul) ou dos sinais de nasalidade m, n, ns (ex.: ainda, Caim, oriundo, ruim, ruins), desde que não se possam combinar com outra vogal com a qual formem sílaba.
    Noutros casos, é necessário recorrer ao acento gráfico para que o ditongo com a vogal precedente não se concretize: (diferente de ai), país (diferente de pais), saía (diferente de saia), caía (diferente de caia), caíra, concluís (diferente de concluis), concluíste, juíza, juízo, Luís, Luísa, raízes, ruína, etc.
     
    Last edited:

    pfaa09

    Senior Member
    Portugal - Portuguese
    Há palavras iguais terminadas em i e em í. Só desta forma se diferenciam.
    Dai e daí; sai e saí; saia e saía; ai (interjeição) e aí, etc...
    As outras palavras, tal como saíste; saíamos; saímos... eu compreendo a dificuldade. Lembro que até os nativos de português a têm.
    Quantas vezes recorremos a dicionários para confirmar. Não conhecemos todas as palavras que levam o acento, apenas fica mais simples saber as que levam o acento grave.

    Nota: Para ajudar, sempre que uma palavra tenha mais do que duas ou três vogais, aquela que se lê mais aberta, ou a que se acentua mais, normalmente leva acento.
     
    Last edited:

    FloMar

    Senior Member
    English - England
    It's comforting to know that I'm not alone with this gramatical anomalies. I tend to assume that it's just me. given that it's virtually unheard of in English that a native speaker would have difficulty conjugating a frequently used verb. It's easy to forget that English is far simpler in grammatical terms than Portuguese. I will take some time to go over these guidelines.
     

    jessbrazil

    Member
    Portuguese
    It's comforting to know that I'm not alone with this gramatical anomalies. I tend to assume that it's just me. It's easy to forget that English is far simpler in grammatical terms than Portuguese. I will take some time to go over these guidelines.
    Inglês pode ser muito mais simples em relação a outras línguas em termos de conjugação verbal mas em termos de gramática, pode ser tão complicado quanto. Phrasal verbs e Present Perfect parecem, de certa forma, aleatórios para muitos aprendizes da língua, embora há quem jure que não sejam.
     

    pfaa09

    Senior Member
    Portugal - Portuguese
    I tend to assume that it's just me.
    No! We are aware of those grammatical difficulties. Portuguese is not that easy to learn or understand.
    Step by step you will be improving your knowledge.
     

    pfaa09

    Senior Member
    Portugal - Portuguese
    Phrasal verbs e Present Perfect
    Verdade. Só mesmo a prática vai ajudando nestes casos.
    O Present Perfect, normalmente, usa-se quando não especifica um ponto no passado.
    Para situações repetidas no passado até hoje, e mais umas regras.
    Os phrasal verbs, só mesmo com a experiência que se vai adquirindo. Ou então o convívio constante com falantes da língua.
     

    FloMar

    Senior Member
    English - England
    Ah sim, tinha escquecido dos phrasal verbs, que adoro, não sei por quê. O present perfect simple já é mais facil, só que há diferenças entre o uso aqui na Inglaterra e nos EUA
     

    englishmania

    Senior Member
    Português Europeu
    It's comforting to know that I'm not alone with this gramatical anomalies. I tend to assume that it's just me. given that it's virtually unheard of in English that a native speaker would have difficulty conjugating a frequently used verb. It's easy to forget that English is far simpler in grammatical terms than Portuguese. I will take some time to go over these guidelines.
    I'm a PT native speaker and I don't remember learning ALL these rules at school, but they do exist. The more you read, the easier it gets. (The more you read books, not online comments, which may be full of mistakes sometimes..) There are a lot of Portuguese people who misspell words: raíz, caír, alí..... It should be raiz, cair, ali.
     
    Last edited:

    pfaa09

    Senior Member
    Portugal - Portuguese
    ...not online comments, which may be full of mistakes sometimes...
    I would say "all the time".
    O Facebook até dá arrepios... Há sites de notícias com erros gramaticais em demasia.
    Há uma enorme falta de rigor na forma de escrever e de falar entre nativos.
     

    guihenning

    Senior Member
    Português do Brasil
    O acento está lá para desfazer um ditongo.
    Talvez haja uma outra forma de entender: "ai" é, em português, naturalmente um ditongo decrescente, isto é, a primeira vogal é a vogal per se e a segunda é semivogal. Este é o caso normal e que abunda na língua: vai, mais, cais, falai, amai, caibo…
    Os casos anômalos são os casos em que um hiato se formou por ene motivos e cuja grafia coincide com "ai". (por isso a interjeição "ai" não é acentuada, mas o advérbio "" (antigamente ahy, ahi, ahí) é — sem ele, ambas as palavras seriam pronunciadas igualmente, como ditongo decrescente). O verbo sair é um desses casos em que a queda duma consoante formou um hiato. A sua origem vem do latim SALIRE (e por isso em espanhol é salir, em italiano salire e em francês saillir — os dois últimos são cognatos, mas não sinônimos). O português, entretanto, desde os primórdios, perdeu os L e N intervocálicos latinos. Alguns hiatos foram desfeitos, outros não.
    Veja que, caso o verbo fosse "salir", não haveria acento gráfico, pois não haveria ditongo nem hiato: nós *salimos, vós *salis — assim sendo, a sílaba tônica recairia naturalmente sobre i. Como houve uma perda de consoante, criou-se a necessidade de acentuar a vogal a fim de espelhar a pronúncia normal do verbo.
    Tenha-se em conta que a vogal temática é também a vogal tônica nas pessoas "nós" e "vós" em quase todos os verbos simples.
    Veja-se: amar, comer, fugir.
    amar:

    amo, amas, ama, amamos, amais, amam (acento rizotônico em eu, tu, ele e eles, mas na vogal temática em nós e vós)
    comer:
    como, comes, come, comemos, comeis, comem (acento rizotônico em eu, tu, ele e eles, mas na vogal temática em nós e vós)
    fugir:
    fujo, foges, foge, fugimos, fugis, fogem (acento rizotônico em eu, tu, ele e eles, mas na vogal temática em nós e vós)

    … assim, em "sair" é «i» a vogal tônica em “nós” e “vós”, diferente das outras pessoas gramaticais cujo acento é rizotônico (na raiz verbal).
    saio, sais, sai, saímos, saís, saem. — sem o acento gráfico, a pronúncia seria "sáimus" e "sáis" para "nós" e "vós" respectivamente. A pronúncia correta é, entretanto, sa-í-mus e sa-ís. A diferença entre "sair" e "fugir" é que fugir tem uma consoante que evita um hiato, sair não tem; este leva, portanto, acento agudo.
    Assim, os casos especiais ou anômalos, normalmente hiatos, devem ser acentuados pois fogem à regra. O ditongo "ai" jamais é acentuado, pois é a norma da língua. O acento em saímos e saís não é exceção, é antes uma maneira de contornar uma "anomalia" que já ocorreu na gênese do português que é a intolerância a N e L intervocálicos e também para diferenciar formas finitas do mesmo verbo "que eu saia" > "eu saía; "ele sai" > "eu saí", etc..
     
    Last edited:
    < Previous | Next >
    Top