American Passover/still impressible

Maria Leopoldina

Senior Member
Brazil, portuguese
Olá!

O texto refere-se ao discurso do abolicionista americano Frederick Douglass, na Sociedade Antiescravista de Rochester, em 5 de julho de 1852. Ele achava que o Quatro de Julho nada representava para os escravos.

As was the tradition in the black communities of New York State, Douglass insisted on speaking on the 5th, not the 4th of July. He put his audience at ease by offering plaudits to America's founding fathers. He acknowledges the importance of the Fourth of July, which he terms an American "Passover". He also recognizes that there is huge hope in the young country which he says is "still impressible".

Como era tradição na comunidade negra do Estado de Nova York, Douglass insistiu em discursar no dia 5, não no dia 4 de julho. Ele tranquilizou a plateia ao elogiar os fundadores da república dos Estados Unidos. Ele reconhece a importância do Quatro de Julho, que chama de “.......” dos Estados Unidos. Também reconhece que há enorme esperança no jovem país, que diz ser “ainda facilmente influenciável”.

Desde já, agradeço sugestões e modificações.
 
  • almufadado

    Senior Member
    Português de Portugal
    Acho que não pode fugir da tradução literal de "páscoa". Em si no contexto, o autor requer do leitor que ele saiba do que se trata a Páscoa.

    Para quem tenha um pouco de conhecimento das religiões sabe que na "Páscoa" cristã, a "Pessah" judaica e o "Ramadão" islâmico se trata de sacrifico e penitência. Em todas existem jejuns e abstinência, a expiração dos "pecados" pelo sacrifício, a reflexão interior como o intuito de se encontrar Deus ou com Deus a fim ... de lhe fazer queixinhas sobre si mesmo. :)

    Nesta perspectiva, o autor que consagrar, sacralizar (espero que não divinizar) o dia da independência Americana como um dia, não sei se de sacrifício, mas pelo menos de reflexão do que a América é e se quer que seja, e que de facto se veio a tornar.

    Mais, em contexto, esta era uma América profundamente religiosa, assente na bíblia do King James, dai a "cola" entre sagrado e profano, entre religioso e secular.

    "still impressible". -> não sei se a intenção será de "influenciável", nos termos de uma frase como "an impressionable youngster". "Influenciável" carrega em si o sentido negativo de "que se deixa levar levianamente, que não sabe pensar por si, que não tem mão em si próprio" (mais até porque o ex-presidente ainda não tinha sido eleito quando as palavras foram proferidas).

    Eu acho que vai mais no sentido literal de "impressionável", ou seja a quem se pode causar impressões e "que se deixa impressionar facilmente" (aurélio).

    A América divagava (e divaga) ao sabor do "bater dos tambores dos mídias", e todas as grandes atitudes em relação ao exterior foram de uma nação que se deixou impressionar por este ou aquele exaltado fato/facto (ex. a 1a grande guerra, Pearl Harbour, o 11/9, etc, etc, etc,etc ) .

    PS : As sugestões são claras, e impassáveis. Os comentários de suporte das minhas sugestões baseiam-se na leitura que faço da América, que, em parte, se baseiam também nalguns discursos que nos tem vindo a apresentar por aqui.
     

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    A Páscoa é vista como a libertação dos Judeus da tirania do faraó. O 4 de Julho, dia da Independência, é também a libertação da América do jugo inglês. Frederick Douglass era abolicionista (aliás era negro, um ex-escravo) pelo que a comparação é compreensível. Traduziria simplesmente como 'Páscoa americana', mesmo que o significado não seja tão óbvio para nós como é para a sociedade americana profundamente imbuída de referências bíblicas.
     
    < Previous | Next >
    Top