digo Santi

Tal

Senior Member
Spanish
Buenas tardes,
En un certificado de matrimonio brasileño encuentro una frase que no sé por dónde coger.
Dice así, "São avós paternos XXX e dona XXXX y maternos XXX falecido e Tereza Sarl, digo Santi".
Transcribo tal cual (omitiendo los otros nombres). Después del "digo Santi" viene un punto.
¿Qué significa eso, por favor? No tengo ni idea.
Muchas gracias.
 
  • Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    Literalmente, 'digo' em espanhol. É uma ressalva por se ter enganado na grafia do nome (algo como 'donde dije digo digo Diego' :))
     

    Tal

    Senior Member
    Spanish
    ¿Pero eso es posible? Qué texto más chapuza. No hay ni comas, ni puntos .... ¿transcribe un nombre, se equivoca y lo arregla poniendo eso? Qué raro todo.
    Pero, muchas gracias ;)
     

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    ¿Pero eso es posible? Qué texto más chapuza. No hay ni comas, ni puntos .... ¿transcribe un nombre, se equivoca y lo arregla poniendo eso? Qué raro todo.
    Pero, muchas gracias ;)

    É possível, sim, e mais que isso é necessário.
    A falta de pontuação é indesculpável, mas a ressalva tem uma razão muitíssimo boa para ser feita assim: os documentos legais não podem ser emendados ou rasurados sem que essa emenda ou rasura seja expressamente ressalvada por declaração expressa no próprio documento feita pelo oficial público que o emite. Doutra forma, qualquer pessoa poderia adulterar posteriormente o documento e a segurança e certeza quanto à fidelidade do que nele se contém seria irremediavelmente afectada. O oficial escreveu 'Sarl' quando deveria ter escrito 'Santi'. Como deu logo pelo erro, rectificou com 'digo'. Se só desse pelo erro mais tarde e tivesse de rasurar por já não haver espaço, teria de ressalvar à margem a rasura e autenticar a ressalva, geralmente apondo-lhe a sua assinatura e o selo branco ou carimbo do serviço É assim em todo o lado, não é uma particularidade do Brasil. Aliás, esse dito chistoso espanhol do 'digo Diego' é a prova disso mesmo. É do mundo jurídico e da sua necessidade de segurança e certeza que ele provém, não da criatividade de um qualquer engraçadinho (apesar de ter graça, naturalmente)..
     

    gato radioso

    Senior Member
    spanish-spain
    ¿Pero eso es posible? Qué texto más chapuza. No hay ni comas, ni puntos .... ¿transcribe un nombre, se equivoca y lo arregla poniendo eso? Qué raro todo.
    Pero, muchas gracias ;)


    No tiene nada de raro. Quizá sea algo arcaico en la era de la informática, pero no hace mucho tiempo, en los reglamentos administrativos se decía que las inscripciones "se realizarán sin enmiendas ni tachaduras, que de existir serán salvadas", es decir, que en la era pre-informática era preferible añadir explicaciones adicionales a un error antes que tachar o borrar una palabra.

    PD: Siempre me gustó ver aquí la palabra "salvadas", suena en este contexto como a algo recuperado del siglo XVI... :rolleyes:
     

    Dymn

    Senior Member
    Então "digo" é uma maneira natural de corrigir o que diz a própria pessoa em português, ou para esclarecer uma referência. Por exemplo:

    - No te habías acostado con él?
    - ¡Pero si tiene cincuenta años!
    - Con su hijo, digo.

    - Não tinhas dormido com ele?
    - Mas tem cinquenta anos!
    - Com o seu filho, digo.


    Obrigado
     

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    Sim, pode usar-se mesmo oralmente, ou para corrigir um erro (falei de uma pessoa quando queria falar de outra, por exemplo), ou para fazer um esclarecimento. Na escrita, é mais frequente nos documentos oficiais, como explicado acima, uma vez que nos particulares é normalmente possível fazer emendas ou rasuras, ao contrário daqueles.
     

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    Oralmente, mais comum do que 'digo' até é 'quero (eu) dizer'. 'Digo' é mais para a escrita e, nos documentos oficiais, precede a correcção. Na fala, pelo menos em Portugal, tanto pode ocorrer antes como depois.
     
    Top