Formação dos tempos compostos

marola

New Member
español, galego
Estou a ler Caim de Saramago e ele usa muito tempos compostos com "haver".
idioma, de que o senhor lamentavelmente se havia esquecido
o senhor quis comprobar que o seu erro havia sido corregido
Imaginamos que pouco haverá faltado

Acho estranhas estas formas, possivelmente pelo meu desconhecimento. São frequentes estas formas? Há diferenças entre as formas com "ter" e as com "haver"?

Obrigada. Estou a gostar do romance. Aconselho a sua leitura.
 
  • vf2000

    Senior Member
    Brasil, Português
    No Brasil não se usa o verbo "haver" na língua falada, é muito raro.

    Na língua escrita, os 10% da população que escrevem bem, não como o Saramago, obviamente, fazem uso do "haver" de vez em quando.
     

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    No Brasil não se usa o verbo "haver" na língua falada, é muito raro.

    Na língua escrita, os 10% da população que escrevem bem, não como o Saramago, obviamente, fazem uso do "haver" de vez em quando.

    Creio que em Portugal também. Na língua escrita só em contextos formais e bastante específicos. Pessoalmente uso muitas vezes tempos compostos com haver, mas boa parte do que escrevo é estritamente formal e isso acaba por influenciar, quer queira quer não, o que escrevo informalmente. No caso do Saramago trata-se, a meu ver, dum recurso estilístico para dar um tom arcaizante, de crónica antiga, ou até mesmo bíblica, ao romance, sem falar já de que me parece - posso estar errado - que, duma forma geral, a escrita do Saramago é um tanto barroca e por isso não estranho o uso desses tempos. Concordo com Marola: o romance vale a pena e, ademais, lê-se num ápice.
     
    Last edited:

    XiaoRoel

    Senior Member
    galego, español
    A respeito do pretérito anterior, falamos hai uns dias neste fío espalhadamente sobre os chamados tempos compostos. Para quem gostar deste tema, é um debate muito interessante. É ou não verdade, Fer BA?
     

    Fer BA

    Senior Member
    Castellano de Buenos Aires
    Marola,

    Acho o mesmo que o Carfer, e também diría que tanto tempo nas Canarias tem que gerar alguma mudança no uso da lingua....

    Dei uma olhada ao fio que o Xiao enviou, é muito interessante (apaixonante).
     

    marola

    New Member
    español, galego
    Creio que em Portugal também. Na língua escrita só em contextos formais e bastante específicos. Pessoalmente uso muitas vezes tempos compostos com haver, mas boa parte do que escrevo é estritamente formal e isso acaba por influenciar, quer queira quer não, o que escrevo informalmente. No caso do Saramago trata-se, a meu ver, dum recurso estilístico para dar um tom arcaizante, de crónica antiga, ou até mesmo bíblica, ao romance, sem falar já de que me parece - posso estar errado - que, duma forma geral, a escrita do Saramago é um tanto barroca e por isso não estranho o uso desses tempos. Concordo com Marola: o romance vale a pena e, ademais, lê-se num ápice.

    Obrigada por esclarecer as minhas dúvidas.
     

    Istriano

    Senior Member
    Croatian
    A gente usa bastante o verbo haver no Pretérito mais-que-perfeito:

    Ele ainda não havia (ou tinha) visto.
    Eu já havia (ou tinha) pego.

    Fora disso, não é muito usado: haver visto (raro), havendo feito (muito raro), hei visto (nunca usado).

    Dados do Google:

    65,300 "havia visto" site: br. 15%
    374,000 "tinha visto" site: br 85%

    1,940 "havia visto" site: pt. 3%
    65,100 "tinha visto" site: pt. 97%


    Nesse caso, o verbo haver é mais usado no Brasil que em Portugal. ;)


    465,000 "eu já tinha dito " site:br. 10%
    4,040,000 "eu já havia dito " site:br 90%

    199,000 "eu já tinha dito " site: pt 96%
    7,680 "eu já havia dito " site: pt 4 %

    ''tinha visto antes''
    339,000
    ''havia visto antes'' 494,000 :)

    Até apareceu no link de uma dúvida:"HAVIA PEGO" ou "HAVIA PEGADO" ?
     
    Last edited:
    Top