Futuro composto e umas confusões

Antonio d'Oliveira

Senior Member
Português - Brasil
Como diferenciar os tempos verbais nessas frases?

Vamos fazer (façamos) natação, cara.
Vamos fazer (faremos) natação, cara.

Em Portugal, ocorre o mesmo?
 
  • Alentugano

    Senior Member
    Português - Portugal
    Pode ocorrer nessa, tal como ocorre em muitas outras situações, em que o/a contexto/ento(n)ação é que vai deixar clara a intenção.
     

    aprendiendo argento

    Senior Member
    Slovenian
    Vamos fazer natação! (Sem complemento de tempo, sem pronome-sujeito explícito) = imperativo ou sugestão.
    A gente vai fazer natação! (Sem complemento de tempo) = futuridade ou intenção.
    Amanhã nós vamos fazer natação! (complemento de tempo) = futuridade ou intenção.

    Visto que com a gente é impossível ou pelo menos improvável usar-se imperativo (que a gente faça natação!),
    a interpretação de vamos + infinitivo, na língua do dia-a-dia é a do imperativo, sem mais contexto.
    Para a futuridade, muita gente prefere a expressão a gente, estabelecendo-se a diferença entre:
    vamos dançar (=dancemos) e
    a gente vai dançar (=dançaremos).


    Na boa, dancemos e dançaremos se usam cada vez menos na fala,
    por isso na língua falada se criou o contraste de: vamos dançar! - a gente vai dançar!

    Com complemento de tempo como agora,
    numa situação hipotética:

    Agora nós vamos dançar! (=futuro imediato)
    Agora vamos dançar! (= convite para dançar)

    (ênfase grifada)
     
    Last edited:

    Antonio d'Oliveira

    Senior Member
    Português - Brasil
    Pode ocorrer nessa, tal como ocorre em muitas outras situações, em que o/a contexto/ento(n)ação é que vai deixar clara a intenção.
    Mas se eu tivesse de distinguir só o texto de um outro, como o faria?
    Vamos fazer natação! (Sem complemento de tempo, sem pronome-sujeito explícito) = imperativo ou sugestão.
    A gente vai fazer natação! (Sem complemento de tempo) = futuridade ou intenção.
    Amanhã nós vamos fazer natação! (complemento de tempo) = futuridade ou intenção.

    Visto que com a gente é impossível ou pelo menos improvável usar-se imperativo (que a gente faça natação!),
    a interpretação de vamos + infinitivo, na língua do dia-a-dia é a do imperativo, sem mais contexto.
    Para a futuridade, muita gente prefere a expressão a gente, estabelecendo-se a diferença entre:
    vamos dançar (=dancemos) e
    a gente vai dançar (=dançaremos).


    Na boa, dancemos e dançaremos se usam cada vez menos na fala,
    por isso na língua falada se criou o contraste de: vamos dançar! - a gente vai dançar!

    Com complemento de tempo como agora,
    numa situação hipotética:

    Agora nós vamos dançar! (=futuro imediato)
    Agora vamos dançar! (= convite para dançar)

    (ênfase grifada)
    Infelizmente.
     

    Alentugano

    Senior Member
    Português - Portugal
    Mas se eu tivesse de distinguir só o texto de um outro, como o faria?
    Você faria com base no texto que pudesse existir (ou não) antes e/ou depois dessa frase. Se for apenas uma frase isolada, no meio do nada, vai ser ambígua. Mas isso acontece com muitas outras frases e expressões na língua. Nesta e noutras línguas. Não vejo aqui um problema, você vê?
     
    < Previous | Next >
    Top