Futuro do conjuntivo

  • didi2009

    Senior Member
    Mas então a frase " Se agora fazes as tarefas, esta tarde vou te levar ao cinema" é corretta ?

    Normalmente as orações condicionais com a conjunção se têm um dos verbos no conjuntivo:

    — futuro do conjuntivo: «Se estiver a chover, vou de carro.»
    — imperfeito do conjuntivo: «Se estivesse a correr, tinha ido de carro.»


    No entanto, é também possível que o verbo apareça no presente, como acontece na frase que nos traz. A Nova Gramática do Português Contemporâneo, de Celso Cunha e Lindley Cintra, tem como primeiro exemplo de uma oração subordinada adverbial condicional a frase de Fernando Pessoa «Tudo vale a pena/Se a alma não é pequena», onde os dois verbos aparecem no presente.


    Isto acontece porque uma oração condicional não pressupõe necessariamente uma dúvida ou hipótese. Implica, sim, uma condição. Essa condição não é dada pelo tempo verbal, mas pela presença da conjunção se, e tanto pode ser uma circunstância real, um facto («Se está a chover, vou de carro»), como uma hipótese («Se estiver a chover, vou de carro»).

    Então se você tem certeza da condição que está afirmando você pode usar os verbos no indicadtivo tanto na frase principal quanto na subordinada.

    Exemplos:
    Se não tomo meu remédio, sinto náuseas.
    Se os alunos tiram notas altas, a professora lhes dá um prêmio.
    Se não uso óculos, tenho dor de cabeça.
    Se acreditas que és capaz, vai à luta.
    Se queres comer, prepara tua comida.
     

    Uticens678

    Senior Member
    Italiano
    Pergunto-me se também as seguintes frases possam fazer sentido...

    a)Se os alunos tirarem notas altas, a professóra lhes dá um prémio.

    b)Se quiseres comer, prepara a tua comida.

    Muito obrigado :). !!!
     
    Last edited:

    XiaoRoel

    Senior Member
    galego, español
    No galego oral tem-se eliminado o futuro do conjuntivo, mas na língua culta escrita de níveis muito formais (ou marcados por una ideologia reintegracionista) usa-se como variante estilística: variante do presente de indicativo nas condicionais com se, ou do presente de conjuntivo nas temporais (as temporais de antes de que não o admitem) e nalgumas relativas, de lugar e de modo. (No cancioneiro popular galego hai cuadras que reflictem o galego do século XVIII e comezos do XIX e que usam este tempo.)

    Mas não equivale a todos os presentes de indicativo nas condicionais com se, nem substitui todos os presentes de conjuntivo das relativas e análogas.

    É, como o presente de conjuntivo, sempre forma de não-irrealidade e de não-anterioridadede, e fundamentalmente de posterioridade à origem.
    Normalmente os verbos da oração principal são também de não-irrealidade e de não-anterioridade, é dizer, o presente e o futuro de indicativo, o presente de conjuntivo e o imperativo.

    Condicionais com se
    : Irei buscalos só se eles quixeren. Se necesitares velo, vai á súa casa.
    Temporais: Dedicareille algo de tempo cando tiver oportunidade. Cando viñerdes por Compostela, pasade por aquí.
    Relativas: Os que me axudaren serán ben recompensados. Só lles farán favores aos que os apoiaren.
    Modais:Farás conforme souberes. Faga as cousas como lle prouguer.

    Cf.
    Álvarez, Rosario; Xove, Xosé. Gramática da lingua galega. Ed. Galaxia. Vigo, 2002. É unha actualizada e brilhante (filologicamente falando) gramática do galego actual. Um referente da mão do Instituto da Lingua Galega da Universidade de Santiago de Compostela.
     

    didi2009

    Senior Member
    No galego oral tem-se eliminado o futuro do conjuntivo, mas na língua culta escrita de níveis muito formais (ou marcados por una ideologia reintegracionista) usa-se como variante estilística: variante do presente de indicativo nas condicionais com se, ou do presente de conjuntivo nas temporais (as temporais de antes de que não o admitem) e nalgumas relativas, de lugar e de modo. (No cancioneiro popular galego hai cuadras que reflictem o galego do século XVIII e comezos do XIX e que usam este tempo.)

    Mas não equivale a todos os presentes de indicativo nas condicionais com se, nem substitui todos os presentes de conjuntivo das relativas e análogas.

    É, como o presente de conjuntivo, sempre forma de não-irrealidade e de não-anterioridadede, e fundamentalmente de posterioridade à origem.
    Normalmente os verbos da oração principal são também de não-irrealidade e de não-anterioridade, é dizer, o presente e o futuro de indicativo, o presente de conjuntivo e o imperativo.

    Condicionais com se
    : Irei buscalos só se eles quixeren. Se necesitares velo, vai á súa casa.
    Temporais: Dedicareille algo de tempo cando tiver oportunidade. Cando viñerdes por Compostela, pasade por aquí.
    Relativas: Os que me axudaren serán ben recompensados. Só lles farán favores aos que os apoiaren.
    Modais:Farás conforme souberes. Faga as cousas como lle prouguer.

    Cf.
    Álvarez, Rosario; Xove, Xosé. Gramática da lingua galega. Ed. Galaxia. Vigo, 2002. É unha actualizada e brilhante (filologicamente falando) gramática do galego actual. Um referente da mão do Instituto da Lingua Galega da Universidade de Santiago de Compostela.

    Muito interessante, XiaoRoel, obrigada por compartilhar. Como são parecedios o português e o galego!
    Imagino que é difícil evitar a interferência de uma língua na outra. Você é tradutor?
     

    Uticens678

    Senior Member
    Italiano
    Fazem e estão correctas.

    Para averiguar se percebi correctamente a diferenca entre estes dois modos verbais...É possível que o sentido da frase "Se os alunos tiram notas altas, a professora lhes dá um prémio" seja que é um costume desta professora premiar os alunos que têm bons resultados escolásticos, enquanto que "Se os alunos tirarem notas altas, a professora lhes dá um prémio" queira dizer que tanto pode ser a primeira vez que premeia a sua classe quanto a décima, o que importa é ser sublinhado o facto de não se saber se, numa circunstância concreta, estes alunos forem capazes de tomar boas notas ?
    Obrigado mais una vez :D
     
    Last edited:

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    Para averiguar se percebi correctamente a diferenca entre estes dois modos verbais...É possível que o sentido da frase "Se os alunos tiram notas altas, a professora lhes dá um prémio" seja que é um costume desta professora premiar os alunos que têm bons resultados escolásticos, enquanto que "Se os alunos tirarem notas altas, a professora lhes dá um prémio" queira dizer que tanto pode ser a primeira vez que premeia a sua classe quanto a décima, o que importa é ser sublinhado o facto de não se saber se, numa circunstância concreta, estes alunos serão capazes de tirar boas notas ?
    Obrigado mais una vez :D

    Exacto. 'Se os alunos tirarem notas altas, a professora lhes dá um prémio' significa que só na eventualidade de eles tirarem notas altas é que a professora lhes dará o prémio.
     

    didi2009

    Senior Member
    Exacto. 'Se os alunos tirarem notas altas, a professora lhes dá um prémio' significa que só na eventualidade de eles tirarem notas altas é que a professora lhes dará o prémio.

    Carfer, o correto não seria "Se os alunos tirarem notas altas, a professora lhes dará um prêmio"?

    Na primeira frase o verbo está no futuro do subjuntivo, então a segunda não deveria estar no futuro também. Estamos falando de uma probabilidade futura, se aconter tal coisa no futuro, farei tal coisa.

    Neste caso acho que não dá para usar o verbo da segunda frase no presente "lhes dá um prêmio" porque ela não vai dar o prêmio antes de eles tirarem as notas altas.

    Abraço!
     

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    Carfer, o correto não seria "Se os alunos tirarem notas altas, a professora lhes dará um prêmio"?

    Na primeira frase o verbo está no futuro do subjuntivo, então a segunda não deveria estar no futuro também. Estamos falando de uma probabilidade futura, se aconter tal coisa no futuro, farei tal coisa.

    Neste caso acho que não dá para usar o verbo da segunda frase no presente "lhes dá um prêmio" porque ela não vai dar o prêmio antes de eles tirarem as notas altas.

    Abraço!

    Não necessariamente. O uso do presente com sentido de futuro é frequentíssimo no português, pelo menos no europeu. Mas podia estar no futuro, claro.
     

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    Obrigado!Mais uma : é correto dizer : "procuro a secretária que mais trabalhar"?

    Em abstracto, é. Significa que você procura, de entre um grupo de secretárias, aquela que efectivamente já mais trabalha ou mais poderá vir a trabalhar, que não sabe quem é. Mas, se souber, então o correcto seria dizer 'procuro a secretária que mais trabalha'. Repare que, na primeira acepção, o significado é ambíguo e só o contexto lhe pode dizer o sentido real.
     

    Uticens678

    Senior Member
    Italiano
    E com o conjuntivo presente (=procuro a secretária que mais trabalhe)? É uma frase possível ?
     
    Last edited:

    didi2009

    Senior Member
    Não necessariamente. O uso do presente com sentido de futuro é frequentíssimo no português, pelo menos no europeu. Mas podia estar no futuro, claro.

    Você tem razão, mas isso não é apenas um recurso de estilo? São gramaticalmente corretas? frases como:

    Amanhã faço o que me pediu.
    Semana que vem viajamos para a Europa.
    No próximo ano estudo mais.
    Se chover, fico em casa.
     

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    Você tem razão, mas isso não é apenas um recurso de estilo? São gramaticalmente corretas? frases como:

    Amanhã faço o que me pediu.
    Semana que vem viajamos para a Europa.
    No próximo ano estudo mais.
    Se chover, fico em casa.

    Nunca vi ser posta em causa a gramaticalidade do presente com sentido de futuro (no caso dos seus exemplos, de futuro próximo). O presente, de resto, é um tempo verbal que nem sempre tem literalmente que ver com a actualidade. Há outros valores possíveis, além do de futuro, significando acções duradouras ('A Igreja condena a pílula'), acções habituais ou repetitivas ('F. e C. estudam na mesma escola') ou mesmo acções passadas,o chamado presente histórico ('D. João VI foge ao invasor e refugia-se no Brasil'). E o que acontece com o presente acontece com outros tempos verbais, não podemos atribuir-lhes um único valor, um valor absoluto.
     

    didi2009

    Senior Member
    Nunca vi ser posta em causa a gramaticalidade do presente com sentido de futuro (no caso dos seus exemplos, de futuro próximo). O presente, de resto, é um tempo verbal que nem sempre tem literalmente que ver com a actualidade. Há outros valores possíveis, além do de futuro, significando acções duradouras ('A Igreja condena a pílula'), acções habituais ou repetitivas ('F. e C. estudam na mesma escola') ou mesmo acções passadas,o chamado presente histórico ('D. João VI foge ao invasor e refugia-se no Brasil'). E o que acontece com o presente acontece com outros tempos verbais, não podemos atribuir-lhes um único valor, um valor absoluto.

    Você tem razão ainda tem o presente histórico. Excelente explicação e exemplos, Carfer, muito obrigada!
     

    Uticens678

    Senior Member
    Italiano
    Se houver bilhetes, comprem um para mim. ( futuro do conjuntivo )
    Se houvesse bilhetes, comprem um para mim. ( imperfeito do conjuntivo )

    Qual é a correcta ?
    Às vezes não percebo a diferença entre os dos tempo do conjuntivo.
    O imperfeito usa-se para orações condicionais introduzidas pela conjunção SE, em que a condição expresa é irreal, imaginária ou hipotética.
    Eu não sei se há ou não há bilhetes então porque esta frase aparece no meu livro com o futuro do conjuntivo?
    muito obrigado.


    por favor corrijam os meus erros no texto !

    Pode-se dizer em espanhol "Si hubiera billetes,compren uno para mí"?
     

    Uticens678

    Senior Member
    Italiano
    E mais : é correta a frase "Se o pai te pedir onde eu estiver, diz-lhe que vou ficar na escola " ? Muito obrigado!
     

    XiaoRoel

    Senior Member
    galego, español
    Pode-se dizer em espanhol "Si hubiera billetes,compren uno para mí"?
    No en español se diría "si hay billetes, cómprenme/compradme/comprame uno", con las tres posibilidades en el verbo de expresión del mandato. El uso del imperfecto en esta frase sonaría obsoleto, propio de otras épocas del español.
    Como são parecedos o português e o galego!
    Imagino que é difícil evitar a interferência de uma língua na outra. Você é tradutor?
    Vamos (em galego dezi-lo-ia com a velha forma galego-portuguesa imos) por partes: sim, são tradutor (literario) de várias línguas para o galego (e o espanhol). A minha profissão de filólogo clássico (dou aulas de latim) tem implícita a profissãao de tradutor pois que tratamos arreo com os textos em latin e em grego clássico.
    A outra parte do teu comentário salienta a visíbel estrutura comúm da língua portuguesa e da língua galega.
    A filologia portuguesa data no 1380 a separação do português do que até então era galego medieval (cum uma variedade dialectal a norte duma linha que parte das Rías Baixas e segue pola província de Ourense bastante por cima da linha fornteiriça actual, com subvariedades, e outra no sur com fronteira no Douro e que colhe tambén o sur da Galiza,o sur das actuais Pontevedra e de Ourense,também con subvariedades). A emergência da nação portuguesa, num comezo no território entre Douro e Minho, data de 1125, término ante quem do galego medieval. As pequenas diferências dialectais vão-se agrandando e multiplicam-se quando a corte portuguesa se instala em Lisboa e alí desenvolve uma variedade niveladora (de conquista) que perde muitas soluções idiomátivas e desenvolve outras, tanto no plano fonético, como no morfológico e léxico.
    A variedade portuguesa a norte do Douro segue a ser (menos na actualidade com a nivelação do ensino geral e os media) fundamentalmente uma variedade do galego e ainda pode ser comprendido pelos galegos.
    Seguerei mais tarde esta reflexão. Agora solicita-me a vida e as suas cárregas.
    Um saúdo.
     

    dj_sound

    New Member
    Croatian
    Mas então a frase " Se agora fazes as tarefas, esta tarde vou te levar ao cinema" é corretta ?

    Pode-se dizer "Se agora fazes", no caso de haver muita probabilidade de ação ser feita
    (e o falante espera que a ação vá ser feita). "Se" pode ser usado com e sem conjuntivo.
     

    cordobes82

    Senior Member
    Brazilian Portuguese - Argentina Spanish
    Aproveito para perguntar algo.
    Nos últimos tempos tenho escutado como o futuro do subjuntivo em portugués está se substituindo pelo presente. Nao sei se é interferencia do espanhol ou outro motivo, mas é o que eu percebo. Quando voces cheguem em lugar de quando voces chegarem.
    Considerariam essa outra forma no presente correta?
    Em Portugal também existe esse fenomeno ou continuam a usar o futuro sempre?

    Obrigado!
     

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    Aproveito para perguntar algo.
    Nos últimos tempos tenho escutado como o futuro do subjuntivo em portugués está se substituindo pelo presente. Nao sei se é interferencia do espanhol ou outro motivo, mas é o que eu percebo. Quando voces cheguem em lugar de quando voces chegarem.
    Considerariam essa outra forma no presente correta?
    Em Portugal também existe esse fenomeno ou continuam a usar o futuro sempre?

    Obrigado!

    Nunca dei por tal tendência em Portugal e estou firmemente convencido de que não existe. A única situação de futuro de que me lembro e em que isso ocorre são as frases introduzidas por 'logo que'.
     

    cordobes82

    Senior Member
    Brazilian Portuguese - Argentina Spanish
    Hola....disculpen por resucitar el hilo después de tanto tiempo. Pero quería mostrarles sobre esa tendencia que mencioné. Me llegó un mail de Mercado Libre, y fíjense como usan el "quando" seguido de presente de subjuntivo, y no de futuro, como debería ser. ¿Será que como Mercado Libre es una empresa argentina está mal redactado? Pero por otro lado, son una empresa grande y seria, con contacto permanente con el portugués. No creo que no tengan dinero para pagar un buen redactor/traductor. Ahí va el mensaje:

    Olá,

    Te damos as boas vindas à comunidade de talentos do Mercado Livre!

    Vamos manter você atualizado quando surjam oportunidades que coincidam com os seus interesses.

    Por favor, lembre-se de manter seu perfil atualizado.

    Atenciosamente,

    Equipe do Mercado Livre


    ¿Qué opinan? Yo ya había escuchado algunos brasileros decir así. ¿Cambio en la lengua? ¿Influencia del castellano?

    Saludos
     

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    No caso concreto e atenta a origem, é possível que se trate de influência do castelhano (ou simplesmente laxismo, que no caso português é frequente em textos oriundos de empresas espanholas traduzidos às três pancadas). No entanto e se bem que 'quando surgirem' me pareça a forma mais natural de dizer, não riscaria a vermelho esse 'quando surjam'. Na verdade, 'quando surjam/quando surgirem', 'sempre que possa/sempre que puder', 'logo que possa/logo que puder', 'logo que possa/logo que puder' (escolha o verbo, ainda que uns fiquem melhor com um tempo e outros com outro), parecem-me alternativas admissíveis quando se trate de orações temporais introduzidas por esse género de locuções. Ora, creio que nessa frase o 'quando' pode significar, de facto, 'sempre que', daí que o uso do presente do conjuntivo não me arranhe aos ouvidos.
     
    Top