Gauche, ululante, burra

Espelius

Senior Member
Galician, Spanish
Hola, a ver si alguien me puede ayudar con estas expresiones. Entiendo que tienen cierto nivel de idiomaticidad y no consigo comprender el significado a pesar del contexto:

1) Quando XXX nasceu, um anjo gauche desses que vivem sabe-se lá onde lhe gritou: “Vai, XXX, ser ululante na vida!”
2) Toda unanimidade é burra

Se trata de un texto que presenta una obra de teatro. La verdad es que me gustaría poder aportar algo más, pero no tengo ni idea del significado de esas expresiones.

Gracias.
 
  • patriota

    Senior Member
    pt-BR
    • anjo gauche (do francês "ange gauche"): ángel torpe
    • burra: tonta
    Unos amigos brasileños me contaban que en su país alguien decía que “toda unanimidad es burra". En ese mismo orden de ideas, un intelectual estadounidense decía que “cuando todo el mundo piensa igual, nadie está pensando" realmente.

    Temas de Formacion Sociopolitica Numero 40 2004


    O sentido literal de ululante está relacionado com ulular, que existe em castelhano, e poderia levar ao uso metafórico de "alguém que se queixa muito", como um lobo uivando para a lua.

    Porém, Nelson Rodrigues, o mesmo autor que disse que "toda unanimidade é burra", também difundiu esta outra expressão, que é o único uso comum da palavra ululante:
    «Lo obvio ululante», que son esas cosas que están muy claras, aunque no se pueden ver porque están muy cerca de los ojos

    Portanto, sem ler o resto do texto, interpreto "ser ululante na vida" como "ser uma pessoa cheia de obviedades".
     
    Last edited:

    zema

    Senior Member
    Español Argentina
    Se me ocurre que un ángel desajustado puede ser otra opción.
    Está mezclando referencias a Drummond de Andrade y Nelson Rodrigues, ¿no es cierto?
    Las traducciones al español del poema de Drummond: "Quando nasci, um anjo torto desses que vivem na sombra disse: Vai, Carlos! Ser gauche na vida" a veces mantienen ese "gauche", a veces traducen "torpe", pero creo que tal vez se entendería mejor "desmañado" o "desajustado" (como en socialmente desajustado).
    Es solamente una opinión, por supuesto.
     

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    esta outra expressão, que é o único uso comum da palavra ululante:
    Portanto, sem ler o resto do texto, interpreto "ser ululante na vida" como "ser uma pessoa cheia de obviedades".

    Sem ler o resto não é fácil dizer, de facto, mas a mim sugere-me outro sentido. 'Ululante' não é um termo do dia-a-dia, obviamente, mas pode significar 'vociferante', como em 'turba ululante', a multidão que protesta encolerizada, que brada, que clama aos gritos. Ou seja, pode ser sinónimo de 'gritante', daí que o óbvio mais que óbvio, o óbvio estridente, aquele que salta manifestamente à vista, que entra pelos olhos dentro, que metaforicamente grita, se possa enfaticamente dizer 'ululante' (*). Daí que interpreto 'ser ululante na vida' no sentido de não se conformar, de protestar, de não calar e de fazer ouvir bem a sua voz, sem concessões, sem meias-tintas, aos berros se necessário.

    creo que tal vez se entendería mejor "desmañado" o "desajustado" (como en socialmente desajustado).

    Também me parece, na mesma linha do que acabei de dizer.

    (*) Aí está mais uma redundância com razão de ser.
     

    Ari RT

    Senior Member
    Português - Brasil
    Se me ocurre que un ángel desajustado puede ser otra opción.
    Está mezclando referencias a Drummond de Andrade y Nelson Rodrigues, ¿no es cierto?
    Las traducciones al español del poema de Drummond: "Quando nasci, um anjo torto desses que vivem na sombra disse: Vai, Carlos! Ser gauche na vida" a veces mantienen ese "gauche", a veces traducen "torpe", pero creo que tal vez se entendería mejor "desmañado" o "desajustado" (como en socialmente desajustado).
    Es solamente una opinión, por supuesto.

    Penso que zema tenha razão.
    O Poema de 7 Faces é de 1928. É dos primórdios do modernismo e contém aquela rima famosa de Raimundo com mundo, contraposta a solução com coração. O “humor” do poema e de parte da obra de Drummond e dos modernistas mineiros da época tende ao sombrio e à sensação de desajuste. O próprio movimento modernista, cujo evento paradigmático foi a semana da arte moderna, em 1922, foi um movimento de negação do “main stream”, uma tentativa de afirmação dos “desajustados”, inconformados com a necessidade de que a arte obedecesse a cânones petrificados.
    A palavra “gauche”, esquerdo em Francês, foi uma bela escolha. Obviamente não deve ser entendida na acepção direta, mas como “diferente”, incomum”, “dissonante”, “desajustado”, “desajeitado”, conotações diferentes entre si, mas todas cabíveis, cada uma delas ou em combinação. O resto do poema dirá qual delas predomina.

    Na primeira estrofe, um anjo “torto” manda o poeta ser “gauche” na vida. O “eu lírico” recai obviamente na primeira pessoa, o anjo exorta a Carlos. Ou seja, o poeta se considera um desajustado / dissonante / desajeitado por obra de um destino incomum, MAS não maligno. O anjo era torto, mas era anjo. Vivia nas sombras, céu estranho esse que tem anjos nas sombras, talvez a natureza do cosmos admita em caráter excepcional a existência de seres “tortos”/ “gauche” e esse destino incomum lhes tenha cabido (ao anjo e ao poeta).

    As demais estrofes falam de um observador tão desajustado ao seu entorno que vê como exteriores a si o movimento dos homens que vão atrás das mulheres, o desejo, as pernas nos bondes (pra que tantas?) e que é sério, simples e forte, mas impotente. Sente-se abandonado por Deus e incapaz de exteriorizar o que lhe vai no coração. Não basta rimar...

    Portanto, o que o anjo "gauche" do post #1 diz é mais ou menos isso mesmo: vá ser incomum!
    O caso da unanimidade burra me parece que esteja bem resolvido acima. O que não ficou claro para mim é a existência ou não de conexão entre os dois pontos. Pode haver. "Vá ser diferente dos outros, porque a unanimidade é burra, então não a acompanhe."
     
    Last edited:
    Top