''I spoke too soon"

  • seezir

    Member
    English-American
    Muito obrigado!
    Também tem uma expressão que nós americanos dizemos: ''I jumped the gun" que basicamente significa a mesma coisa: reagir 'antes do tempo'. Existe uma expressão ou giria equivalente?
     

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    Ou então:

    "Dei com a língua nos dentes."
    'Dar com a língua nos dentes', pelo menos em Portugal, Joca, significa revelar um segredo, falar em algo que se devia manter confidencial, o que é diferente de 'falar cedo demais', 'falar antes do tempo', que quer dizer afirmar como certa uma coisa que depois a realidade vem a desmentir (no exemplo de seezir, afirmar que hoje há pouco trabalho e daí a instantes aparecer um volume de trabalho tal que, se a pessoa tivesse adivinhado, nunca teria proferido a afirmação inicial).
     

    Joca

    Senior Member
    Brazilian Portuguese
    'Dar com a língua nos dentes', pelo menos em Portugal, Joca, significa revelar um segredo, falar em algo que se devia manter confidencial, o que é diferente de 'falar cedo demais', 'falar antes do tempo', que quer dizer afirmar como certa uma coisa que depois a realidade vem a desmentir (no exemplo de seezir, afirmar que hoje há pouco trabalho e daí a instantes aparecer um volume de trabalho tal que, se a pessoa tivesse adivinhado, nunca teria proferido a afirmação inicial).
    Você está certo. Enganei-me. Perdão.
     

    almufadado

    Senior Member
    Português de Portugal
    "Adiantei-me ao marcador, quando disse que não havia muito trabalho para fazer hoje ... afinal tive de fazer serão". ->
    "I got much ahead of the scorer "

    "Pus o carro à frente dos bois quando disse que não havia muito trabalho para fazer hoje ... ainda há mais "carroças" para puxar" :) -> "I put the cart in front of the beasts ..."

    "Saltei antes de tempo ..." -> "Jumped before (the) time (was right)..."
     

    seezir

    Member
    English-American
    "Adiantei-me ao marcador, quando disse que não havia muito trabalho para fazer hoje ... afinal tive de fazer serão". ->
    "I got much ahead of the scorer "

    "Pus o carro à frente dos bois quando disse que não havia muito trabalho para fazer hoje ... ainda há mais "carroças" para puxar" :) -> "I put the cart in front of the beasts ..."

    "Saltei antes de tempo ..." -> "Jumped before (the) time (was right)..."
    This is great! Muito obrigado! De fato, eu me lembro de ter ouvido "pus o carro à frente dos bois" cuando eu estava no Brasil. Tá vendo como a gente esquece tão facilmente?
     

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    This is great! Muito obrigado! De fato, eu me lembro de ter ouvido "pus o carro à frente dos bois" cuando eu estava no Brasil. Tá vendo como a gente esquece tão facilmente?
    Não sei se 'pôr o carro à frente dos bois' se aplica aqui. 'Pôr o carro à frente dos bois' é inverter as prioridades, é fazer primeiro aquilo que só devia ser feito depois, não falar antes do tempo, pelo que acho que é um pouco forçado.
     

    almufadado

    Senior Member
    Português de Portugal
    Não sei se 'pôr o carro à frente dos bois' se aplica aqui. 'Pôr o carro à frente dos bois' é inverter as prioridades, é fazer primeiro aquilo que só devia ser feito depois, não falar antes do tempo, pelo que acho que é um pouco forçado.
    Carfer, acho que pôs o carro à frente dos bois ao dizer que esta alegoria se resume a um contexto de prioridades.

    Da minha experiência, aplica-se a uma miríade de situações em que se inverte o termo natural de um cenário. Desta inversão resulta que o sujeito :

    • aplica antes do tempo (tempo)
    • troca de prioridades (acção)
    • troca de factores (factos/fatos)
     

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    Carfer, acho que pôs o carro à frente dos bois ao dizer que esta alegoria se resume a um contexto de prioridades.

    Da minha experiência, aplica-se a uma miríade de situações em que se inverte o termo natural de um cenário. Desta inversão resulta que o sujeito :

    • aplica antes do tempo (tempo)
    • troca de prioridades (acção)
    • troca de factores (factos/fatos)

    Peço desculpa, mas mantenho o que disse e o que disse é o que a minha experiência em termos de uso da expressão me sugere.

    Quando usamos a expressão 'pôr o carro à frente dos bois' estamos a referir-nos a uma situação em que a violação da sequencia natural, da prioridade, impede o resultado esperado. É à situação em si que nos reportamos, é da sua lógica interna que falamos.

    Quando, diferentemente, dizemos que 'falamos cedo demais', reportamo-nos a um comentário prematuro sobre uma dada situação. É à tempestividade ou oportunidade do comentário que nos referimos, não à lógica interna da situação objecto do comentário.

    São, na minha opinião, dois planos e duas situações bastante diferentes. 'Falar cedo demais' só afecta a acção – e portanto equivalerá a 'pôr o carro à frente dos bois' - se o 'falar', se o comentário de quem falou cedo demais for um elemento dela, se fizer parte da sequência que conduz ou que condiciona o seu resultado (dito doutro modo, se for, figurativamente, 'carro' ou 'boi':)). Posso admitir, em tese, que haja situações dessas, mas não me ocorre nenhuma. Não obstante, não me custa imaginar uma situação que exemplifique o que digo.
    Suponhamos que uma companhia aérea compra 'Jumbos' sem ter aeroportos onde os possa operar. Podemos dizer que, ao comprá-los, pôs o carro à frente dos bois. Ou seja, comprou antes do tempo (se é que se esperava que fossem construídos tais aeroportos), trocou as prioridades, trocou os factores, como o almufadado muito bem diz ou, como digo eu, violou a sequência natural, a lógica interna da acção que lhe permitiria usar os Jumbos.
    Mas se eu, comentador, escrever uma croniqueta qualquer em que digo que a dita companhia aérea vai comprar os Jumbos e afinal não os compra por razões que eu desconheço ou que são supervenientes às informações que eu possuía, aí só posso dizer, em boa lógica, que 'falei cedo demais'. Na verdade (e aí é que está a diferença) o uso dos Jumbos não está dependente do meu comentário, a compra ou não compra não está condicionada por este. O meu comentário é exterior à situação da compra, não faz parte da sua lógica nem condiciona o seu resultado. Fi-lo foi cedo demais e a realidade veio a desmentir-me.

    É em cenários semelhantes que, na minha opinião, ambas as expressões têm cabimento e é nessas situações que eu penso que são usadas, isto sem embargo de reconhecer que poderá haver uma ligeira proximidade de sentidos e por isso não neguei taxativamente a equivalência, apenas a achei forçada.
     
    Last edited:

    almufadado

    Senior Member
    Português de Portugal
    Certíssimo ! Mas não anula o meu argumento (latitude do uso da expressão) antes pôs mais lenha na fogueira.

    Exemplo

    Tempo/sequência temporal - "Os pais compraram 1 lata de tinta cor-de-rosa para pintar o quarto do futuro bébé ! Mas pelos visto puseram o carro à frente dos bois porque afinal é um menino (a tinta é tradicionalmente azul e na maternidade dizem que já não trocam !:))!
    (ainda pensei em tinta para aviões mas não fica tão giro!)

    Acção - a dos aviões sem aeroporto está excelente ! Por isso serve de exemplo aqui VERBUM AD VERBUM (palavra por palavra).

    Factores - O primeiro-ministro pôs o carro à frente dos bois ao afirmar que a crise já tinha acabado pois/porque o petróleo ainda sobe e a bolsa desce. A não ser que se referisse ao facto do nosso bolso estar a ganhar ...ar e ai é preciso chamar os bois pelos nomes e dizer que isso é mera pré-campanha eleitoral.

    Apesar de todo este apartesobre o uso esta colorida expressão idiomática, no caso presente significaria "falar antes do tempo".

     

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    Provavelmente podemos continuar a discutir isto ad infinitum e continuar a divergir, o que me parece um pouco estulto, além de pouco interessante para os demais. Para concluir, só quero pois lembrar que o que está aqui em causa é a sinonímia da expressão 'falar cedo de mais' e 'pôr o carro à frente dos bois'.
    Experimente trocar 'pôr o carro à frente dos bois' por 'falar cedo de mais' no primeiro exemplo que deu. Alguém falou? Os pais compraram foi tinta cedo de mais, não disseram nada antes do tempo. Ou seja, trata-se duma acção, não duma afirmação e por isso 'pôr o carro à frente dos bois' tem lá todo o cabimento, mas 'falar cedo de mais' não, por isso as expressões não são equivalentes.
    E quanto ao terceiro (visto que o segundo não parece levantar questões), é um dos tais casos em que há alguma proximidade de sentido e por isso acho que o uso de 'pôr o carro à frente dos bois' não está aí tão deslocado como no anterior. Em todo o caso, ficaria lá muito melhor 'falar antes do tempo' porque não se trata do que o primeiro-ministro fez para que acabasse a crise, mas sim de 'falar do seu fim' quando tudo indicava que tal não ia ocorrer. Se, antes do tempo devido, tivesse feito alguma coisa que devesse ter feito (se tivesse posto), então sim. A expressão implica acção (por alguma razão lá está o verbo 'pôr'), não uma mera afirmação. Mas isto é a minha opinião e não quero continuar a insistir.
     
    < Previous | Next >
    Top