Outro ou um outro?

< Previous | Next >

Alis96

New Member
Italian
Bom dia! Quereria saber se para os falantes nativos é mais natural dizer "outro" ou "um outro". Também estava me perguntando se uma destas expressões é incorreta. Por exemplo, qual destas frases é correta ou melhor?
1) Comprei um outro vestido
2) Comprei outro vestido
 
  • Vanda

    Moderesa de Beagá
    Português/ Brasil
    Interessante. Ainda sobre o assunto, encontrei esta explicação:
    «Um certo» e «um outro» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
    'Aceitam-se as expressões indefinidas «um certo» e «um outro», apesar de a associação dos seus elementos constituintes – por um lado, um, uma, e, por outro, certo e outra – gerarem entre si alguma redundância, visto todos indicarem «coisa ou alguém não definido» (no caso de certo, será mais a referência a uma entidade que, podendo definir-se, não se identifica claramente). Por esta razão, há quem considere que «um certo» e «uma outra» são expressões incorretas, induzidas pelo francês. No entanto, trata-se de usos enraizados na língua, que até se justificam em certos contextos – por exemplo, «um certo Leonardo pintou a Mona Lisa».' [...]
    'Em suma, à luz de alguma doutrina normativa, atendendo a que mesmo entre autores clássicos se acham as expressões em causa, aceita-se o emprego de «um certo» e «um outro», tendo sempre em mente, porém, que também estarão (quase) sempre disponíveis «certo» e «outro», sem artigo indefinido, com vantagem para a economia e concisão do estilo.'

    in Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, «Um certo» e «um outro» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa [consultado em 24-05-2020]

    in Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, «Um certo» e «um outro» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa [consultado em 24-05-2020]
    Não deixe de ler o artigo todo.
     

    pfaa09

    Senior Member
    Portugal - Portuguese
    Quereria saber se para os falantes nativos é mais natural dizer "outro" ou "um outro".
    São duas coisas diferentes, para contextos diferentes. É impossível responder sem que haja um contexto.
    "um", ao que tudo indica, parece tratar-se de um pronome indefinido (uma pessoa ou uma coisa). A construção "Um outro" conduz-nos (aos nativos) a contextos do género: Ele tinha "um outro" propósito / objectivo". o Pronome tem características enfáticas, dá outra importância a "outro", como que a dizer: não se trata de um determinante / pronome indefinido qualquer. Há algo substancial por detrás.
    Uma coisa é dizer: Leva outra roupa, pois vamos andar de bicicleta. (a pessoa tinha roupas melhores do que as adequadas ao momento).
    Outra coisa é: A reacção dela leva-nos a pensar que havia um outro motivo por detrás.
    A diferença é óbvia.

    Quanto às opções A e B, são ambas possíveis e não vejo qualquer diferença.
     

    pfaa09

    Senior Member
    Portugal - Portuguese
    O meu objectivo é apresentar um exemplo que possa mostrar a diferença entre as escolhas, por mais pequena que seja.
    Quando referi o "óbvio", queria dizer que é possível usar ambos em diferentes contextos de forma a que seja notado.
    Nos exemplos A e B, não vejo essa diferença tão óbvia.
     

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    Também não digo que seja sempre 'outro' na variante portuguesa. Creio que cá esse uso é permitido e está mais do que estabilizado, não é considerado erro (aliás, a primeira vez que mo censuraram, já tinha quase 60 anos, foi numa aula de espanhol mas nunca numa de português). Também não acredito que seja galicismo (como? Camões?! António Vieira?!) e, mesmo que fosse...
    Pessoalmente, não uso 'um(a) outro(a)' por sistema e sim, predominantemente, com o sentido de 'mais um(a)/um(a) mais', seguido, em regra, da especificação do que esse 'um(a) outro(a)' consiste. Numa enumeração de motivos, posso dizer, por exemplo, 'Há uma outra razão para assim pensarmos, a de que ainda não foi provado que...',). É certo que pode ser tida como uma redundância visto que 'outro' já pode significar 'mais um', mas as redundâncias também têm a sua função, não podemos rejeitá-las só por o serem. No caso, o que pretendo é sublinhar que a razão que vou aduzir, que é uma razão concreta, não indefinida, se adiciona ao conjunto das que já foram invocadas e que faz parte dele, é mais um elemento dessa enumeração. Se omitir 'um/uma', a ideia que me parece passar é de que estou a abrir outra linha de raciocínio que pode não ter relação com a primeira. A diferença pode ser subtil e, em muitos casos, pouco acrescentar, mas também pode ser útil em certas circunstâncias. Se não preencher nenhuma finalidade útil, não uso. Decido consoante o caso.
     
    < Previous | Next >
    Top