que nem cornos

Nooj

Senior Member
English - Aus-NZ
Era a primeira vez na vida que dava um murro em alguém e a mão doía-lhe que nem cornos, mas era uma dor que vinha acompanhada de uma enorme satisfação.

Olá. Gostaria de saber o que quer dizer 'que nem cornos' neste contexto e de onde vem a expressão (por que cornos e não outra parte do corpo...?). Finalmente, que sinónimos há para esta expressão que cabería bem aqui?

Obrigado desde já, são três perguntas pesadas já sei.
 
  • J. Bailica

    Senior Member
    Português - Portugal
    Olá. Gostaria de saber o que quer dizer 'que nem cornos' neste contexto e de onde vem a expressão (por que cornos e não outra parte do corpo...?). Finalmente, que sinónimos há para esta expressão que cabería bem aqui?

    Obrigado desde já, são três perguntas pesadas já sei.

    Eu conheço "rijo que nem cornos", "duro que nem cornos". Usa-se normalmente para descrever a característica física do que é rijo, duro, resistente, etc. A minha primeira leitura sugere-me que, através de uma figura de estilo da linguagem, se tentou descrever a sensação física que a mão experimentou ao dar o murro.
    Na verdade, a pessoa que foi objeto do murro é que (para a mão) seria «(rija) que nem cornos», mas por uma questão de estilo da linguagem (ou por lapso ou facilidade), a opção foi dizer que a mão «doía-lhe que nem cornos».

    Se for esta a explicação para a frase - e a minha dúvida está no fato de pensar que essa expressão seria local, ou regional (não a costumo ouvir fora da minha zona) - não me parece que haja outra expressão que a possa substituir. É que além do mais «cornos» tem uma carga simbólica própria: são rijos, com certeza, mas também têm conotações ancestrais que remetem para as forças bravias, lascivas até, da natureza; para uma certa perversidade ou maldade (sexual, mas não só), etc.
    «Cornos» é também uma expressão depreciativa para cara / cabeça: «levar nos cornos» é ser agredido, principalmente na cara, na cabeça (mais uma razão para a tal figura de estilo, possivelmente).
     

    Ari RT

    Senior Member
    Português - Brasil
    Se o texto é português, fique com @J. Bailica, acima. Se for brasileiro, eu leria que a mão "doía como o diabo", "doía exageradamente". O nosso equivalente a "it hurt like hell".
    De certa forma, vamos pelo mesmo caminho, divergindo apenas no final. Os cornos no mundo da linguagem são um símbolo do estrambótico, do exagero, do ponto fora da curva, do extremo. No Brasil também temos, com a mesma função simbólica, o caralho (e seu substituto de salão, o cacete), a gota, a gota serena, o Cão, a porra, o "dedéu". Deve haver mais.
    - bravo 'pra' caralho = bravo além da conta;
    - feio como a gota = exageradamente feio;
    - rico não, o Cão = acima da escala normal de riqueza;
    - duro feito a porra = duro como só as coisas exageradas são duras;
    - cuidado que o chão está escorregando pra dedéu = escorregando muito.
    Lembrei de mais um: bêbado pra mais de metro, ontem choveu pra mais de metro.
    Não procure significado literal em nada disso aí acima. Tudo são figuras de linguagem.
     

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    Que sirva de aumentativo parece realmente o que faz mais sentido, mas a verdade é que nunca dei por tal uso em Portugal. 'Doía-lhe para/como o/ caralho' e semelhantes é o mais comum.
     

    J. Bailica

    Senior Member
    Português - Portugal
    Que sirva de aumentativo parece realmente o que faz mais sentido, mas a verdade é que nunca dei por tal uso em Portugal. 'Doía-lhe para/como o/ caralho' e semelhantes é o mais comum.

    Doía-lhe que nem cornos também nunca ouvi. Mas rijo que nem cornos é relativamente comum na minha região (Leiria). Só por curiosidade, já ouviu, Carfer?
     

    Ari RT

    Senior Member
    Português - Brasil
    Do lado de cá, corno dificilmente será lido como substantivo chifre, mas sim como adjetivo chifrudo. Os cornudos (ou cornos) também servem de paradigma. No caso, paradigma de "coitadismo". Trabalho de corno é um trabalho ruim, tive um dia de corno, apanhei feito um corno.
    Não sei dizer se a motivação é "o marido traído é um coitado" ou "as bestas de carga sofrem". Desconfio que, independentemente de qual tenha sido a origem histórica da expressão, hoje se use como "pena do marido traído".
     

    J. Bailica

    Senior Member
    Português - Portugal
    Si
    Do lado de cá, corno dificilmente será lido como substantivo chifre, mas sim como adjetivo chifrudo. Os cornudos (ou cornos) também servem de paradigma. No caso, paradigma de "coitadismo". Trabalho de corno é um trabalho ruim, tive um dia de corno, apanhei feito um corno.
    Não sei dizer se a motivação é "o marido traído é um coitado" ou "as bestas de carga sofrem". Desconfio que, independentemente de qual tenha sido a origem histórica da expressão, hoje se use como "pena do marido traído".

    Sim, em Portugal também se pode usar como adjetivo, para significar chifrudo - aquele que é traído (sexualmente, à partida). Os outros usos não são impossíveis, creio, dado que «corno» tem um amplo leque de conotações (e acaba até por servir como uma espécie de advérbio, por vezes), mas não são comuns. Assim de repente, de parecido, apenas me lembro de não faz um corno: é um preguiçoso, não faz absolutamente nada.
     

    Guigo

    Senior Member
    Português (Brasil)
    Apenas registrando que, no Brasil, especialmente no Sul e Centro-Oeste, há um sinônimo para corno/chifre: guampa, do mapuche (indígenas do Chile) hwampar, através do espanhol platino.
     
    Top