valha-me, valham-me

Dymn

Senior Member
Bom dia pessoal,

Não percebo o significado de este trecho:

A chegar ao final de maio e ainda não provei cerejas, pêssegos nem magnórios. Valham-me os morangos.

Se procuramos no Reverso Dictionary, encontramos mais exemplos:

Valham-me todos os santinhos! (Esta acho que deve ser figurada)
Valham-me as panquecas, já viste isso?
Valham-me as minhas pérolas!

etc.

Alguém me pode dar uma mão? Obrigado!
 
  • Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    Quer dizer que, ao menos, pode recorrer aos morangos para provar e lhe dar satisfação. 'Valer' é ajudar/proteger/vir em socorro de/ alguém (daí o 'Valham-me todos os santinhos!'). Quem diz 'Valham-me as panquecas' é porque as panquecas são a única coisa que lhe pode trazer algum benefício, num conjunto de outras que não tem ou que o prejudicam (sem contexto não sabemos quais). O mesmo para as pérolas, que talvez sejam o recurso que ainda resta a esta pessoa.

    P.S. Mas vocês dizem 'Válgame Dios', não dizem? É a mesma coisa dos santinhos, é uma invocação a Deus ou aos santinhos para pedir protecção.
     
    Last edited:

    Dymn

    Senior Member
    P.S. Mas vocês dizem 'Válgame Dios', não dizem?
    Dizemos, mas é apenas nesta expressão e é para exprimir frustração ou surpresa. Ninguém pensa literalmente em Deus quando diz esta expressão.

    Pelo menos em catalão, eu diria no meu exemplo "sort de les maduixes". Poderia se dizer em português: "sorte dos morangos"?

    Porquê o singular e o plural no título? Alguma dúvida entre as diferenças??
    Singular se o substantivo é singular (o morango), plural se é plural (os morangos), não é? Só coloquei ambas as formas para se alguém procurar no singular, que lhe seja mais fácil.
     

    Guigo

    Senior Member
    Português (Brasil)
    "Valha-me Deus, Senhor São Bento
    Buraco velho tem cobra dentro."

    Neste caso, trecho de uma chula de capoeira, o verbo valer tem o sentido de 'constatação': como se dissesse: "não ponho a mão lá, por nada neste mundo".
     

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    Dizemos, mas é apenas nesta expressão e é para exprimir frustração ou surpresa. Ninguém pensa literalmente em Deus quando diz esta expressão.

    Pelo menos em catalão, eu diria no meu exemplo "sort de les maduixes". Poderia se dizer em português: "sorte dos morangos"?
    Não, mas poderia dizer - e diz-se muitas vezes quando as coisas não correm bem, sobretudo quando não se esperava que corressem assim - 'sorte malvada'.
    Esses usos que indica em situações de frustração, surpresa ou desamparo também são comuns em Portugal. Obviamente, ninguém pensa em Deus ou nos santos quando o diz nem está à espera de milagres. É mais uma das muitas coisas que dizemos e que não podem ser levadas à letra. Contudo, 'valer' mantém em português esse sentido de ajudar, proteger. Podemos dizer, por exemplo, 'não tenho quem me possa valer' ('me' ou o pronome que couber), em situações de privação ou desamparo, quando não temos ninguém a quem recorrer. Embora 'valem-me os morangos' pareça estranho em abstracto, se alguém tem necessidade de comer fruta e não há nenhuma disponível senão os morangos, 'valer' faz sentido porque são os morangos que o tiram do aperto, que lhe permitem comer alguma.
     

    Ari RT

    Senior Member
    Português - Brasil
    Vejo dois significados diferentes.
    Um é o dos morangos. Não comi a, b ou c, tenho que contentar-me com que os morangos que comi substituam (valham por) a, b e c. Sejam os morangos um sucedâneo de a, b e c. Esta é a acepção mais frequente do verbo valer. Uma coisa que vale por outra, tem o mesmo valor que outra, exerce a mesma função, ocupa o mesmo espaço, produz o mesmo efeito.
    Outro é o do "válgame Dios", "valha-me Deus", "valham-me os santinhos", "valei-me minha Nossa Senhora", "valei-me São Benedito", que quer dizer "venham em minha ajuda". Pelo menos no Brasil, só tenho ouvido com santos na ponta "rogada". Não se ouve por aqui "valei-me, senhor policial", "valei-me a câmara dos deputados". E é claro que são frases feitas, ninguém que as use está realmente clamando a Deus ou aos santos. É uma forma metafórica de afirmar que uma situação está além das forças do falante, e que só com intervenção sobrenatural a coisa se resolveria.
    Concordo em que os significados sejam conexos. Ao chamar um santo (outrem) para resolver uma questão, subentende-se que este outrem atue em substituição ao falante, o que nos remete de volta à primeira acepção. Mas a diferença é suficiente para que se pense em duas acepções.
     

    patriota

    Senior Member
    pt-BR
    Se tivesse que substituir por uma frase compreensível por todos os lusófonos (em prejuízo da poesia): "Vou ter que me conformar com os morangos".

    A das panquecas é uma brincadeira com as palavras, uma expressão de surpresa graciosa, como mostra a própria página onde a encontrou: "Sweet potato pancakes, would you look at that?". Como decidiu manter a panquequice, o tradutor também poderia ter inventado "Santa panqueca", "Panqueca do céu", "Panqueca me acuda", "Panqueca me livre" etc. A minha obra-prima: "Panquecas me mordam".
     
    Last edited:

    Carfer

    Senior Member
    Portuguese - Portugal
    Vejo dois significados diferentes.
    Um é o dos morangos. Não comi a, b ou c, tenho que contentar-me com que os morangos que comi substituam (valham por) a, b e c. Sejam os morangos um sucedâneo de a, b e c. Esta é a acepção mais frequente do verbo valer. Uma coisa que vale por outra, tem o mesmo valor que outra, exerce a mesma função, ocupa o mesmo espaço, produz o mesmo efeito.
    Sim, mas para que 'valer' adquira esse sentido de substituir tem de lhe acrescentar a preposição 'por' que não está na frase original. 'Valer' no sentido que lhe atribuí é corrente em Portugal. Também parece não haver dúvida de que a origem da frase é portuguesa. Há um elemento que para ela aponta claramente, a referência a 'magnório', que é o nome que o fruto que no resto do país se chama 'nêspera' (e no Brasil, ao que parece, 'ameixa-amarela') tem no Norte de Portugal e, aparentemente, só aí. Por isso insisto que o significado é o de ajudar, proteger, salvar. É o significado que 'valer' tem em expressões tão comuns como 'o que nos vale é que...', 'o que vale é que...', 'Valeu-me x'. Dou um exemplo que talvez torne o que digo mais claro: 'Fizemos a travessia num barco a cair de podre. O que nos valeu foi que o mar estava calmo'. Ou seja, o que evitou o pior, o que nos protegeu - ou, no limite, o que nos salvou - de um naufrágio foi o facto de o mar estar calmo. Evidentemente, a calmaria não foi um substituto ou um sucedâneo da podridão do barco, mas o factor que evitou que se desse um acidente. É essencialmente neste sentido que a expressão está usada na frase proposta por Dymn: o que evita que não tenha ainda comido nenhuma fruta (subentende-se da estação, porque são todos fruta da época), o que me socorre desta carência, são os morangos. Refraseando, 'O que (me vale) vale/ Valem-me/ Valham-me (para que não seja pior, para que a carência não seja total)/ (é/são) os morangos'. Por isso digo que aí o significado de 'valer' não é diferente do que literalmente tem em 'Valha-me Deus'.
     
    Last edited:
    < Previous | Next >
    Top